Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Reajustes do aço quebram recuperação dos negócios, alerta Anfir

Insumos | 12/02/2021 | 18h20

Reajustes do aço quebram recuperação dos negócios, alerta Anfir

Associação dos fabricantes de implementos rodoviários reclama de novos aumentos e afirma que preços do insumo cresceram 86% em 2020

REDAÇÃO AB

Os reajustes galopantes dos preços do aço praticados pelas siderúrgicas nos últimos 12 meses já encostam em 100% e prejudicam a recuperação de quase todos os segmentos da indústria de transformação que dependem do aço para produzir. Essa foi uma reclamação constante de fabricantes de autopeças e veículos no segundo semestre de 2020 (leia aqui), mas a situação continuou a piorar este ano. Em comunicado enviado à imprensa na sexta-feira, 12, a Anfir, associação dos fabricantes de implementos rodoviários (carretas e carrocerias de carga) que têm 70% de seus custos de produção centrados na compra do insumo metálico, alerta que aumentos já feitos e pretendidos trazem sério risco à recuperação do setor.





“O aço teve aumento superior a 86% em 2020 e a maior parte desse custo não foi repassado ao cliente final. O País está saindo do quarto ano de crise e não tem cabimento aumentar preço de matéria-prima. Isso vai quebrar o ritmo de recuperação e vamos retroceder”, afirma Norberto Fabris, presidente da Anfir.



Este ano, em menos de dois meses as três maiores siderúrgicas fornecedoras de aço no País, Usiminas, Gerdau e CSN, voltaram a reajustar seus preços entre 12% e 15% em janeiro e anunciaram aplicar mais 15% em fevereiro. Segundo informações de mercado, as aciarias cogitam aplicar reajustes entre 45% e 50% a partir de junho.

“O reajuste inoportuno é a pior notícia que poderíamos receber em meio a recuperação. O aço tem uma participação na produção de nossos produtos de até 70%. Não temos condições de absorver esse custo e seremos diretamente prejudicados”, reclama o presidente da Anfir.

Segundo Fabris, o mercado não aceita reajustes desse tamanho e assim não é possível repassar aos transportadores, o que obriga os fabricantes a absorver a alta de custos, prejudicando a saúde financeira das empresas. “Reajustar valores nesse momento vai provocar parada forte nas vendas porque os clientes não têm condições de pagar por esse aumento. A situação do transportador também é complicada porque o valor do frete está estagnado e impede o repasse de eventuais aumentos aos clientes”, explica o dirigente.



Tags: Aço, insumos, reajustes, aumentos, inflação, Anfir, implementos rodoviários.

Comentários

  • Gersonde Paula

    Ogoverno teveria impor regras mais regidas para as usinas, como liberar, taxas zero para importaçaõ do aço ou naõ ?????

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now