Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Trabalhadores da GM aprovam layoff em São José por falta de componentes
Metalúrgicos da GM em São José dos Campos aprovam layoff de dois meses em troca de estabilidade no emprego

Trabalho | 04/03/2021 | 21h57

Trabalhadores da GM aprovam layoff em São José por falta de componentes

Montadora suspende contratos de 600 empregados por dois meses para interromper um turno de produção da picape S10

REDAÇÃO AB

Em assembleias convocadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP) na quinta-feira, 4, os empregados da fábrica da General Motors na cidade aprovaram a proposta da empresa de suspender temporariamente os contratos de trabalho (layoff) de 600 funcionários, o que deverá interromper um dos dois turnos da linha de produção da picape S10. Segundo o sindicato, a medida foi tomada pela empresa por falta de componentes suficientes para produzir o veículo no mesmo ritmo, devido à desorganização provocada pela pandemia de Covid-19 na cadeia global de suprimentos e logística da indústria automotiva.

Os trabalhadores aprovaram a proposta da GM em troca da promessa de estabilidade no emprego para todos os afastados. O layoff iniciado na segunda-feira, 8, e está previsto para durar dois meses, podendo ser estendido para até 10 meses. A GM de São José produz os modelos S10 e Trailblazer e segundo informa o sindicato tem cerca de 3,5 mil trabalhadores. Um grupo de 368 funcionários já está afastado desde abril de 2020.

“A estabilidade no emprego foi decisiva para a aprovação do layoff, conquistada depois de muita negociação entre empresa e sindicato. Estamos num momento em que a preservação dos empregos é de extrema importância”, afirmou o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida.

Pelo mesmo motivo de falta de componentes, esta semana a GM paralisou completamente a fábrica de Gravataí (RS), onde produz a linha Onix, o veículo mais vendido do mercado brasileiro. Todos os funcionários do complexo, incluindo os dos fornecedores que ficam dentro da planta, entraram em férias coletivas até a última semana de março e a partir de 4 de abril cerca 2 mil trabalhadores da unidade gaúcha serão afastados em layoff por até dois meses (leia aqui). Ao contrário de São José, não foi garantida a estabilidade no emprego, mas se a empresa demitir terá de pagar indenização de dois salários adicionais.



Tags: GM, General Motors, São José dos Campos, layoff, S10, produção, trabalho, emprego, suspensão, fornecedores, componentes, cadeia de fornecimento, pandemia, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now