Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Primeira diretora industrial da ArcelorMittal anuncia meta de ampliar presença feminina
Para Tatiana, o engajamento masculino é essencial para alcançar a equidade de gênero

Semana da Mulher | 11/03/2021 | 08h15

Primeira diretora industrial da ArcelorMittal anuncia meta de ampliar presença feminina

Tatiana Nolasco diz que objetivo é elevar o porcentual de colaboradoras para ao menos 30% do quadro de funcionários até 2030

NATÁLIA SCARABOTTO, AB

Nesta Semana da Mulher, AB Diversidade convida lideranças para compartilharem como avaliam a equidade de gênero no setor automotivo. Tatiana Nolasco, diretora industrial da ArcelorMittal Sul Fluminense - a primeira mulher a comandar uma siderúrgica da organização, é uma das convidadas. A executiva anuncia que a empresa estabeleceu a meta de ter ao menos 30% de mulheres entre seus empregados até 2030.



- Clique aqui para ler outros conteúdos da Semana da Mulher



Ela aponta ainda que as mudanças, apesar de lentas, estão acontecendo e precisam ser impulsionadas por todos. “Quando cursei engenharia, há 23 anos, esse quadro era bem pior”, conta. “Nós só conseguiremos alcançar a equidade de gênero com o apoio dos homens. Além de ser uma questão de justiça, este é um caminho que agrega valor. Diversidade é bom para os negócios.”

As mulheres ainda são minoria em cargos de alta gestão da indústria automotiva, representando apenas 6%, segundo a pesquisa Liderança do Setor Automotivo, feita por Automotive Business com a coordenação técnica da MHD Consultoria. Dentro de todo o segmento, elas somam apenas 19% da força de trabalho, com maiores desafios, mas menores oportunidades e salários, aponta o estudo Diversidade no Setor Automotivo.

Tatiana iniciou carreira no Grupo Votorantim em 2001, onde passou por áreas como planejamento e controle de produção. Com a aquisição das operações pela ArcelorMittal, ficou à frente da área de suprimentos do Sul Fluminense até agosto de 2019, quando assumiu a Gerência técnica e qualidade. Em 2020, passou a liderar a gerência de laminação de Barra Mansa.

Na sua visão, qual é a importância da equidade de gênero para a indústria em geral e, principalmente, para o setor automotivo?



A equidade de gênero é um caminho sem volta. A sociedade avançou, direitos foram conquistados, alguns paradigmas foram quebrados e as mulheres passaram a ocupar espaços outrora dominados por homens. Temos de seguir avançando nessas estatísticas se queremos construir uma sociedade mais inclusiva, equânime e justa para todos.

No Dia Internacional da Mulher, a ArcelorMittal Brasil lança a meta de ter ao menos 30% de mulheres entre seus empregados até 2030. O desafio está colocado para todas as áreas da empresa, incluindo as atividades operacionais, administrativas e cargos de liderança.



Atualmente, dos cerca de 17 mil empregados da ArcelorMittal Brasil, 14% são mulheres. Em suas trajetórias profissionais, as mulheres devem ser estimuladas e ter a oportunidade de desenvolvimento, inclusive no setor automotivo, historicamente associado à figura masculina.

Que conselho você daria às mulheres que querem construir carreira no setor?



O segredo do sucesso é fazer aquilo que algumas vezes pode te assustar, sair da sua zona de conforto e enfrentar os desafios que a vida coloca na sua frente. Tenha autoconfiança, encare qualquer situação de forma positiva. A coragem é uma das competências mais importantes, junto com resiliência e a disciplina. Pratique o autoconhecimento e capacite-se.

E aos homens que buscam fomentar a equidade?



Nós só conseguiremos alcançar a equidade de gênero com o apoio dos homens. Além de ser uma questão de justiça, a equidade de gênero agrega valor. Diversidade é bom para os negócios. Equipes diversas são mais criativas, pensam de forma diferente e trazem soluções inovadoras para as empresas. Em um ambiente em que todas as pessoas conseguem se sentir contempladas e respeitadas, tem-se também um espaço mais produtivo. Sempre que posso, converso com lideranças masculinas sobre a importância de darem apoio às mulheres e a oportunidades iguais.

Quais oportunidades e desafios você enxerga na busca da equidade de gênero dentro do setor?



Os números ainda são muito desiguais quando falamos das mulheres no mercado de trabalho, na indústria e em posições de liderança. Mas quando entrei no curso de engenharia, há 23 anos, esse quadro era bem pior. Com certeza essas estatísticas vêm melhorando, e eu me vejo como parte dessa evolução. O movimento que a ArcelorMittal e outras empresas estão fazendo é para que se acelere o ingresso da mão de obra feminina nas empresas. É uma jornada.

O que você gostaria de receber de presente de Dia da Mulher?



Gostaria de receber de presente mais respeito, valorização e liberdade para todas as mulheres. Gostaria de ler e ouvir notícias sobre diminuição da violência contra a mulher, sobre o respeito crescente à condição da mulher em seus ambientes de trabalho e também em seus lares. Também ver o aumento do número de mulheres nas empresas, na indústria, na política e em todas as esferas da sociedade.



Tags: Semana da Mulher, Dia da Mulher, diversidade, equidade de gênero, ArcelorMittal, setor automotivo, Tatiana Nolasco.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now