Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Lado Fiat e Jeep da Stellantis no Brasil vai ajudar Peugeot e Citroën, diz CEO do grupo
O CEO Tavares entre Filosa (esq.) e Manley (dir.) no Polo Jeep de Goiana: marca de 1 milhão de veículos produzidos é herança da FCA que mostra o lado de maior crescimento da Stellantis no Brasil

Indústria | 11/03/2021 | 20h21

Lado Fiat e Jeep da Stellantis no Brasil vai ajudar Peugeot e Citroën, diz CEO do grupo

Em visita às fábricas da antiga FCA em Betim e Goiana, Carlos Tavares afirmou que sinergias devem impulsionar todas as marcas, incluindo os novos motores turbo

PEDRO KUTNEY, AB

Em uma corrida agenda de três dias para visitar o lado que mais cresce no Brasil da Stellantis – fusão da PSA com FCA concluída em janeiro passado –, o CEO do novo grupo, Carlos Tavares, conheceu dois polos automotivos herdados da FCA que, segundo ele mesmo, devem contribuir bastante para fortalecer e retomar o crescimento das outras marcas da companhia na região. Portanto, os investimentos e avanços de Fiat e Jeep deverão também beneficiar Peugeot e Citroën.

Tavares reforçou que não é intenção da Stellantis fechar fábricas ou descontinuar nenhuma das 14 marcas que hoje integram o grupo, incluindo as operações no Mercosul, onde atualmente são produzidos veículos de quatro marcas em cinco fábricas, três no Brasil e duas na Argentina. O executivo afirmou que para alcançar as prometidas economias de € 5 bilhões/ano com sinergias, o caminho é o da “frugalidade e inteligência humana”, com redução de custos por meio de cooperação e diluição de investimentos.

Um desses exemplos de cooperação com ganhos de escala é a nova linha de produção de motores turbo que o próprio Tavares inaugurou na quarta-feira, 10, no Polo Automotivo Fiat em Betim, MG (leia aqui). “Essa é a sinergia óbvia: uma fábrica de motores pode fornecer para veículos de todas as nossas marcas, com isso aumentamos a produção e economizamos com a compra de componentes em maior quantidade. Mas há muitas outras oportunidades, a compra de mídia é outro exemplo”, apontou o CEO.

O “PATRÃO” DE CADA REGIÃO DECIDE O QUE FAZER




Tavares ao lado de Manley e Filosa na fábrica de Betim (MG): sinergias a explorar

“Se algumas marcas estão hoje com dificuldades por falta de investimentos, se por vários motivos Peugeot e Citroën talvez não tenham tido o sucesso que mereciam [no Brasil], agora na Stellantis teremos capacidade de investir com maior eficiência e recuperar as que ficaram de lado. Mas o patrão de cada região tem autonomia para decidir como quer operar em seu território, aproveitando todas as sinergias possíveis”, explica Carlos Tavares.



O CEO da Stellantis destacou que o plano de sinergias já apresentado por quem ele chama de “o patrão da região”, Antonio Filosa, que era o presidente da FCA Latam e após a fusão tornou-se o chefe de operações (COO) da Stellantis na América do Sul, “é muito mais amplo e tem maior alcance do que poderíamos discutir em Turim ou Paris” (onde ficavam as antigas sedes dos grupos FCA e PSA).

O sucesso da FCA na região – primeiro com a Fiat desde o fim dos anos 1970 e mais recentemente com a Jeep depois da inauguração da moderna fábrica de Goiana (PE) em 2015, que esta semana alcançou o marco de 1 milhão de unidades produzidas, operando ao ritmo de mil carros por dia – é atribuído por Tavares à independência que a empresa teve para desenvolver e produzir os produtos mais adequados para os clientes do Brasil e América do Sul.

“Temos uma estrutura completa no Mercosul, fazemos aqui desde o design dos carros, o desenvolvimento inteiro, a produção, a distribuição e as vendas – é uma pequena Stellantis operando na região. Por isso estamos em uma posição confortável nos próximos anos aqui, com equipes que vêm fazendo um ótimo trabalho e um forte portfólio de produtos, com vários lançamentos de veículos (produzidos localmente) já programados, três só este ano, que devem reforçar nossa liderança neste mercado”, avalia Tavares.

(Os três lançamentos de 2021 mencionados pelo CEO, pela ordem, devem ser o Jeep de sete lugares que vem sendo chamado de Grand Compass e terá sua produção iniciada em Goiana em agosto próximo; seguido pelo novo Citroën C3 a ser montado em setembro sobre a plataforma CMP em Porto Real/RJ em uma configuração com suspensão mais elevada; e em novembro entra em produção em Betim SUV/crossover compacto da Fiat.)



Tags: Stellantis, PSA, FCA, CEO Carlos Tavares, COO Antonio Filosa, indústria, investimento, sinergia, Peugeot, Citroën, Fiat, Jeep, Betim MG, Goiana PE.

Comentários

  • GilbertoSiniciato Gonçalves

    Acheimagnifico a fusão que resultou na Stellantis, tem tudo para dar certo, são veículos inovadores onde faltava um motor mais moderno e eficiente, agora com o motor turbo, vou voltar para a linha Fiat que fiquei por mais de vinte anos.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now