Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
GM também paralisa a produção no ABC; 18 fábricas estão paradas

COVID-19 | 30/03/2021 | 18h24

GM também paralisa a produção no ABC; 18 fábricas estão paradas

Levantamento mostra que unidades de produção vão parar por 5 a 12 dias por causa da pandemia, mas há suspensões mais longas e redução de turnos devido à falta de componentes

REDAÇÃO AB

Texto alterado e atualizado em 30/3 às 20h

A General Motors demorou mais do que outras fabricantes de veículos, mas enfim jogou a toalha e anunciou a paralisação da produção na fábrica de São Caetano do Sul, no ABC paulista. Segundo comunicado distribuído pela empresa, a operação fica suspensa de 29 de março a 2 de abril.

A decisão, aponta a empresa, acompanha o direcionamento da prefeitura do município que, assim como a capital paulista, antecipou feriados para elevar as taxas de isolamento social e conter o avanço da pandemia de coronavírus.

A GM foi a única fabricante de veículos instalada no ABC Paulista a resistir à interrupção da produção. A empresa já havia paralisado no início de março a operação em Gravataí (RS), mas por outro motivo: falta de componentes eletrônicos – os semicondutores que ficaram escassos com a pandemia (leia aqui). A empresa informa que o problema persiste e a planta gaúcha poderá ficar parada até junho. A empresa segue em atividade com as fábricas de Joinville (SC) e de São José dos Campos (SP) – esta última, no entanto, em apenas um turno, também por falta de componentes.

Nos últimos dias, além da General Motors, Honda, Toyota, Renault e Volkswagen Caminhões e Ônibus anunciaram interrupções em suas operações em consequência de medidas para conter o avanço da andemia. Até agora, 18 fábricas de veículos já confirmaram paradas que vão de cinco a doze dias, segundo levantamento realizado por Automotive Business até a terça-feira, 30.

Confira a seguir como está a situação até o momento, segundo informações fornecidas pelos fabricantes:

BMW: a empresa informou que a fábrica de Araquari (SC) realocará sua produção do dia 1º de abril (quinta-feira) para sábado, 24 de abril em função do atraso logístico causado por conta do mau tempo. Assim, a fábrica vai ficar fechada entre os dias 1 e 5 de abril (contando os feriados de Sexta-feira Santa, 2 de abril, e do aniversário de Araquari, 5 de abril). O retorno à produção acontece no dia 6 de abril.

DAF: a empresa respondeu que “não vai se posicionar sobre o assunto”.

GENERAL MOTORS: fábrica de Gravataí (RS) parada por falta de insumos (semicondutores) desde o início de março, com possibilidade de retornar à produção somente em junho. Planta de São Caetano do Sul (SP) interrompe a operação entre 29 de março e 2 de abril para acompanhar a antecipação dos feriados na cidade. A operação da fábrica de motores em Joinville (SC) segue normal, enquanto em São José dos Campos (SP) a empresa trabalha em apenas um turno de produção, também por causa da falta de componentes.

GRUPO CAOA: a fábrica de Jacareí (SP), onde são montados alguns modelos da Caoa Chery, não tem previsão de suspender suas atividades. A empresa informou que a unidade não enfrenta falta de peças e segue acompanhando as recomendações e medidas dos órgãos públicos em relação à pandemia de Covid-19. Já a fábrica de Anápolis (GO), que produz veículos da Hyundai e da Caoa Chery não enviou resposta até o momento.

GRUPO STELLANTIS: até o momento todas as fábricas do grupo (Fiat, Jeep, Peugeot, Citroën) – Porto Real (RJ), Betim (MG) e Goiana (PE) – seguem produzindo.

HONDA: decidiu apenas na sexta, 26, que pararia suas linhas de produção de automóveis nas unidades de Sumaré e Itirapina, ambas em São Paulo, entre 30 de março e 9 de abril. A retomada está prevista para 12 de abril.

HYUNDAI BRASIL: informou na sexta-feira, 26, que vai parar a produção na fábrica de Piracicaba (SP) de 29 de março a 4 de abril em apoio às medidas locais anunciadas contra a Covid-19.

JAGUAR LAND ROVER: A empresa informou que em respeito ao decreto do Governo do Estado do Rio de Janeiro vai suspender a produção na fábrica de Itatiaia (RJ) por 10 dias, de 1º a 11 de abril, retomando às atividade no dia 12. Os empregados irão compensar no futuro os dias parados. A unidade segue com a operação de montagem até 31 de março, seguindo protocolos para reduzir o risco de contágio pela Covid-19.

MERCEDES-BENZ: vai suspender as operações das fábricas de São Bernardo do Campo (SP) e de Juiz de Fora (MG) entre os dias 26 de março e 5 de abril.

MITSUBISHI: informou que, por enquanto, a produção na fábrica de Catalão (GO) segue normal.

NISSAN: vai adotar férias coletivas em sua fábrica de Resende (RJ) entre os dias 26 de março e 9 de abril, com a produção sendo retomada no dia 12 de abril.

RENAULT: empresa suspendeu a produção na fábrica de São José dos Pinhais (PR) a partir de 29 de março e só retornará no dia 5 de abril. Informou disse que “os dias não trabalhados serão compensados oportunamente”.

SCANIA: vai suspender a produção na fábrica de São Bernardo do Campo (SP) entre os dias 26 de março e 4 de abril.

TOYOTA: inicialmente, a empresa informou que vai seguir a recomendação de diversas prefeituras e antecipar os feriados entre os dias 26 de março e 4 de abril, com o retorno às atividades no dia 5 de abril. Com isso, as fábricas de Porto Feliz, São Bernardo do Campo e Sorocaba vão ficar fechadas durante o período, exceto a unidade de Indaiatuba, que retorna no dia 6.

VOLKSWAGEN: primeira montadora a anunciar a paralisação temporária, por conta do aumento nos casos de Covid-19, vai interromper suas atividades nas três unidades que possui no País (São Bernardo do Campo e Taubaté, em São Paulo e São José dos Pinhais, no Paraná) entre os dias 24 de março e 5 de abril.

VW CAMINHÕES E ÔNIBUS: produção na fábrica de Resende (RJ) será interrompida entre os dias 29 de março e 4 de abril.

VOLVO: a fábrica de Curitiba está operando com capacidade de produção reduzida em 70% desde o dia 23 de março, por conta da falta de semicondutores e também para ajudar no combate ao novo avanço da pandemia. A medida, que impactou 2 mil dos 3,7 mil colaboradores que a empresa possui, está prevista para durar até o fim de março.



Tags: Fábrica, paralisação, produção, indústria automotiva, pandemia, componentes, coronavírus, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now