Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Engenharia brasileira escreve história dos caminhões e ônibus Volkswagen
Linha atual de caminhões Volkswagen Delivery, Meteor e Constellation: evolução de 40 anos da engenharia brasileira

VWCO 40 ANOS | 12/04/2021 | 17h00

Engenharia brasileira escreve história dos caminhões e ônibus Volkswagen

Sem matriz no exterior, VWCO desenvolveu linha própria de produtos no Brasil, com ousadia e sob medida

PEDRO KUTNEY, AB

Sem tempo para ler? Que tal OUVIR esse texto? Clique no play!





A compra das operações da Chrysler no Brasil em 1979 e o lançamento de dois caminhões médios “cara-chata” em 1981, os modelos 11.130 e 13.130 ostentando uma marca sem nenhuma história na fabricação de veículos pesados, foi só a primeira de muitas das manobras ousadas já realizadas pela Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) em suas quatro décadas de existência. Apesar da falta de tradição e da aparência inédita, a marca que já liderava o mercado brasileiro de automóveis com o Fusca mostrou sua força também para caminhões e ônibus.



Este texto faz parte da série especial de reportagens sobre os 40 anos da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO)
- LEIA TAMBÉM:

| Volkswagen Caminhões e Ônibus chega aos 40 anos com ousadia – e sem arrogância
| Caminhões e ônibus Volkswagen já rodam em mais de 30 países – e fabricante quer mais
| Investimentos da VWCO passam de R$ 5,5 bi em 25 anos; chegarão a R$ 7,5 bi em 30
| Fábrica de Resende e Consórcio Modular completam 25 anos de uma ideia revolucionária
| AB Cast: Roberto Cortes fala sobre os 40 anos da Volkswagen Caminhões e Ônibus
| e-Delivery é primeiro passo brasileiro rumo à eletrificação
| e-Consórcio viabiliza a produção de caminhões e ônibus elétricos no País




O primeiro caminhão VW: cabine desenhada na MAN da Alemanha e chassis projetado com componentes nacionais

A mesma ousadia foi estendida já no ano seguinte da fundação, com a primeira expansão da gama e o lançamento do primeiro caminhão leve “cara-chata” do mercado, de 6 toneladas, apresentado em setembro de 1982 com duas opções de motorização diesel, Perkins para o modelo 6.80 ou MWM para o 6.90, além da versão a álcool 6.140, que não teve sucesso comercial – o modelo aproveitava o motor V8 da Chrysler convertido a funcionar com etanol pela Volkswagen em 1981 e desde então oferecido em caminhões Dodge, que seguiram sendo produzidos em paralelo com os VW até 1985.


Criatividades da engenharia brasileira: o primeiro modelo leve “cara-chata” do mercado, o VW 6.90 (esq.) lançado em 1982, e o caminhão a álcool projetado para carregar cana com o motor V8 herdado da compra da Chrysler e convertido para funcionar com etanol

Sem matriz no exterior e com engenharia própria, a VWCO seguiu experimentando o mercado ao longo de sua história, com mais acertos do que erros.

“Fizemos tudo com o conhecimento local, com muita criatividade e ousadia. É uma grande vantagem ter nossa engenharia aqui no Brasil. Podemos desenvolver o produto exatamente como querem os clientes. Nós não precisamos seguir nenhuma bula. Desenvolvemos o veículo sob medida a um preço sempre competitivo”, resume Roberto Cortes, presidente da VWCO.



DESENVOLVIMENTO COM FORNECEDORES LOCAIS



Consta na lista dos arrojos de sucesso da VWCO a nova fórmula de dividir investimentos e produzir em conjunto com os fornecedores no Consórcio Modular no complexo industrial de Resende (RJ), inaugurado em 1996 – um modelo inédito idealizado e implantado em cerca de um ano após a empresa ficar sem fábrica, com o fim da sociedade entre Volkswagen e Ford na Autolatina (1986-1994). A partir da nova linha de produção e do intenso relacionamento com os fornecedores, foi agilizado o processo de desenvolvimento de novos veículos, com ampliação do conceito de oferecer produtos sob medida.


Linha de montagem de Resende no início dos anos 2000: produção compartilhada com fornecedores do Consórcio Modular e alto grau de nacionalização

A proximidade e associação direta com os fornecedores localizados no Brasil promoveram o desenvolvimento de caminhões e chassis de ônibus que ostentam os maiores índices de nacionalização de componentes no mercado brasileiro, acima de 80%, em média. O modelo de produção criou parcerias perenes desde os primeiros traços de cada projeto.

O mais recente exemplo de nacionalização é a linha de extrapesados Meteor lançada em 2020, que tem cerca de 300 fornecedores e nasceu com localização acima de 70%, incluindo alguns dos componentes de maior peso e valor, como o motor MAN D26 fabricado sob encomenda pela MWM em São Paulo, a transmissão automatizada Traxon produzida pela ZF em Sorocaba (SP), suspensões pneumáticas da Suspensys feitas em Caxias do Sul (RS) e montadas em Resende, além dos eixos trativos fabricados em Osasco (SP) e acoplados em Resende pela Meritor.

CRESCIMENTO ACELERADO DO PORTFÓLIO



“Saímos da parceria com a Ford na Autolatina com um modelo de chassis ônibus e basicamente três opções de caminhões, um leve, um médio e um pesado. A partir da fábrica de Resende conseguimos trabalhar de forma mais estruturada no portfólio com a parceria dos fornecedores, com a ampliação das soluções sob encomenda, com tecnologia na medida certa para a demanda dos clientes, assim as vendas cresceram”, lembra Rodrigo Chaves, vice-presidente de engenharia da VWCO.


Caminhões VW da Série 2000: primeira grande expansão do portfólio

Na virada do século, já na fábrica de Resende, foram introduzidas as novas cabines da Série 2000, que originaram o lançamento de vários veículos que encontravam demandas reprimidas e sucesso instantâneo – como o cavalo mecânico Titan Tractor lançado em 2002 na entrada do segmento de pesados, que sozinho vendeu mais de 10 mil unidades nos três anos seguintes, abocanhando 30% das vendas do segmento. “O Titan foi um exemplo de desenvolver o que o cliente queria e os concorrentes não faziam porque vendiam produtos desenvolvidos para outros mercados”, pontua Chaves.


O Cavalo mecânico Titan Tractor 18.310 lançado em 2002: sucesso instantâneo de mais de 10 mil vendidos em três anos

As novas linhas de modelos leves Delivery e de pesados Constellation, lançadas em 2005, consolidaram uma ampla lista de produtos bem recebidos, que seguiram aumentando a participação da marca nas vendas. “Nessa época já fazíamos parte da Volkswagen Veículos Comerciais (VWN) na Alemanha e pela primeira vez desenvolvemos a cabine do Constellation com uma linguagem de estilo global da marca. Foi uma etapa importante que nos ensinou a aproveitar mais sinergias no exterior”, conta o vice-presidente de engenharia.


Caminhões VW Constellation: nova cabine desenhada na Alemanha para semipesados e pesados da marca em 2005

Patrocínio


MAIS COOPERAÇÃO EXTERNA



Chaves aponta que o nível de cooperação tecnológica com a empresa controladora na Alemanha cresceu a partir de 2009, após a aquisição da VWCO pela MAN. Pela primeira vez a empresa nascida no Brasil integrou uma corporação centenária do mesmo ramo de atividade, especializada em desenvolver e fabricar caminhões e ônibus. Com isso, as sinergias começaram a acontecer, como a nacionalização do motor MAN D08, fabricado sob contrato no Brasil pela MWM, para utilização em vários veículos VW desde 2012, mesmo ano em que a fábrica de Resende começou a montar no País o modelo extrapesado MAN TGX.


Cooperação internacional: produção em Resende do extrapesado MAN TGX e do motor MAN D26 na MWM

O passo seguinte desse processo aconteceu em 2015 com a integração de todas as marcas de veículos comerciais pesados do Grupo VW (MAN, Scania e VWCO) na VW Truck & Bus, em 2018 transformada no Traton Group. “A família cresceu e as possibilidades de sinergias se expandiram para outras dimensões, com acesso a tecnologias que nos colocam em linha com as tendências globais de conectividade, eletrificação e direção autônoma”, diz o engenheiro Rodrigo Chaves.

O acesso a tecnologias em parceiros do Grupo Traton acrescentou conhecimento, mas não reduziu a independência da engenharia da VWCO, que seguiu desenvolvendo seus veículos e hoje tem o portfólio mais completo entre as três marcas da companhia, com modelos que vão de 3,5 a 25 toneladas de peso bruto total (PBT).


Nova geração de caminhões Delivery foi lançada em 2017 com ampliação da gama

Exemplo dessa independência com sinergias foi a completa renovação da família Delivery em 2017, que teve a cabine redesenhada nos estúdios da VW Veículos Comerciais (VWN) na Alemanha, mas teve todo o projeto financiado e desenvolvido no Brasil, com parceiros estratégicos do Consórcio Modular. A nova linha aumentou o alcance da VWCO para baixo e para cima, no segmento de comerciais leves e no de modelos médios, e já nasceu com uma versão do primeiro caminhão elétrico brasileiro, o e-Delivery, lançado comercialmente em 2021.

Já no ano seguinte a engenharia brasileira da VWCO apresentou mais uma de suas criações no Salão de Veículos Comerciais de Hannover, na Alemanha: um protótipo de ônibus híbrido plug-in, o Volksbus e-Flex, com tração 100% elétrica alimentada por baterias que podem ser recarregadas na tomada ou pelo motor flex TSI 1.4 turbo, fabricado em São Carlos (SP) pela Volkswagen, a divisão de veículos leve do grupo, em mais um exemplo de sinergia. O modelo ainda deverá por testes reais de circulação antes de ser lançado comercialmente.

Faltava ainda subir ao andar de cima do mercado de caminhões, o que foi feito em outubro de 2020 com o lançamento dos Meteor, uma gama completamente nova de extrapesados, mais uma vez com cabines criadas em cooperação com a VWN na Alemanha e equipados com motor MAN D26 produzido na MWM.


A nova família Meteor de extrapesados: os maiores caminhões VW do mundo, projetados no Brasil

“Os Meteor representam todas as lições que aprendemos com o desenvolvimento de produtos que fazemos no Brasil. Fizemos a maior aquisição de dados de nossa história durante os testes. Verificamos tudo que o cliente buscava e não encontrava para desenvolver os novos caminhões”, conta o vice-presidente de engenharia. Chaves coordenou o projeto que envolveu a construção de 20 protótipos e 5 milhões de quilômetros rodados em testes antes do lançamento.


Rodrigo Chaves, vice-presidente de engenharia, ao lado de mais uma criação brasileira da VWCO: o Volksbus e-Flex, ônibus híbrido plug-in com motor bicombustível

“A matriz no exterior não atrapalha, mas o fato de precisar fazer tudo aqui nos tornou mais ágeis e conectados com os clientes. Nosso mercado pode usar soluções globais, mas precisa de adaptações e desenvolvimentos locais. Hoje continuamos com agilidade, mas temos o apoio de um grupo internacional e não precisamos mais começar tudo com uma folha de papel em branco”, avalia Rodrigo Chaves.





Tags: Volkswagen Caminhões e Ônibus, VWCO, 40 anos, história, indústria, engenharia, produtos, Grupo VW, Traton.

Comentários

  • GEDIVALDOMACIEL

    Aprendia gostar da marca,tive oportunidade de trabalhar num vw. Achei muito bacana esse novo caminhão (meteor),muito bonito,sem contar o 3/4 delivery,muito bom,e toda linha constellacion,máquinas maravilhosas!! Espero um dia ,num futuro próximo, ser dono ,de pelo menos um delivery,tenho esse sonho.. Parabéns a todos. Obrigado...

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

Mobility Now

ABTV

Mobility Now