Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Argentina obriga montadoras a produzir com sua capacidade máxima
Fábrica na Argentina: será obrigatório produzir toda a capacidade instalada

Internacional | 14/04/2021 | 13h35

Argentina obriga montadoras a produzir com sua capacidade máxima

Governo acredita que as fábricas de veículos seguram sua produção e vai multar quem não cumprir decreto

REDAÇÃO AB

Imagine se o governo brasileiro obrigasse hoje todas as montadoras do Brasil a começar a produzir com sua capacidade máxima e quem não o fizesse seria punido? Pois foi mais ou menos o que acabou de acontecer na Argentina. O governo local publicou uma resolução no Diário Oficial da União decretando que todas as indústrias do país (incluindo as montadoras e seus fornecedores) iniciem a produção usando o total da sua capacidade instalada, sob risco de serem multadas.

A resolução inusitada foi publicada na última sexta-feira, dia 9, mas só repercutiu na imprensa local nesta semana. A medida se aplica às "empresas do setor industrial que faturam mais de 3.955.200.000 pesos argentinos (US$ 41 milhões) por ano". Segundo cálculos do site argentino Autoblog, “esse faturamento representa uma produção de cerca de 6.000 veículos por ano, algo que todas as montadoras no país hoje superam.” O governo argentino explicou que o objetivo do decreto é “evitar, no contexto do agravamento da pandemia Covid-19, uma redução injustificada da oferta de produtos para o mercado interno”.

O mercado argentino tem vivenciado uma procura muito grande de veículos por parte dos consumidores, provocada pelo fechamento das importações e pelas restrições de acesso ao dólar. São comuns casos de modelos de carro que têm meses de fila de espera. Para complicar o cenário, integrantes do governo acreditam que as indústrias são as responsáveis ​​diretas pela falta desses produtos e pelo aumento da inflação.

O que talvez as autoridades locais ainda não tenham percebido é que não só a Argentina, mas o planeta todo está enfrentando uma crise global de escassez de insumos (principalmente semicondutores, usado em microprocessadores) e irregularidade na cadeia logística que abastece o mundo todo. No caso argentino, estima-se que entre 50% e 80% dos componentes usados na produção de veículos são importados, variando conforme a fábrica. Alguns especialistas do setor automotivo prevêm até que essa escassez global pode se estender por anos (leia aqui).

A indústria automotiva argentina só utiliza hoje algo entre 40% e 70% da sua capacidade instalada, dependendo da fábrica. A única exceção tem sido a Toyota, que produz 100% na unidade de Zárate, mesmo assim ela já começou a suspender turnos por causa do grande número de casos de infecção por coronavírus.

Segundo fontes do setor ouvidas pelo site Autoblog, uma frase resume bem o caso: “Se não produzimos mais hoje, não é porque não queremos. É porque não temos os dólares nem as licenças de importação das peças necessárias para aumentar essa produção”.

Confira abaixo a íntegra da resolução:

Comunicado do Ministério da Produção

Grandes empresas devem produzir até o máximo de sua capacidade instalada

O Ministério do Comércio Interno da Nação resolveu incentivar as grandes empresas dos setores comercial e industrial a fabricar, distribuir e comercializar até o máximo de sua capacidade instalada, enquanto persistir a emergência sanitária. O objetivo do regulamento é evitar, no contexto do agravamento da pandemia de Covid-19, uma redução injustificada da oferta de produtos para o mercado interno.

Por meio da Resolução nº 330/2021 publicada hoje no Diário Oficial da União, o edital abrange desde o fornecimento de insumos até a mercadoria final, transporte, distribuição e comercialização.

A medida se aplica às empresas do setor industrial que faturam mais de 3.955.200.000 pesos por ano e às do setor comercial que registram um faturamento anual superior a 3.698.270.000 pesos, de acordo com o disposto na Res. SEPYME 220/2019 e seus aditamentos.

O Ministério do Comércio Interno tomou esta medida após constatar a existência de situações de escassez de insumos e bens finais particularmente prejudiciais em situação de emergência sanitária.

Com o intuito de aumentar a produção ao máximo da capacidade instalada e garantir o transporte, a distribuição e a comercialização, procura salvaguardar o interesse económico geral e evitar carências que possam prejudicar os consumidores.

O descumprimento desta resolução fará com que as empresas infratoras recebam as sanções previstas na Lei de Abastecimento (nº 20.680).



Tags: Argentina, produção, insumos, montadoras, semicondutores.

Comentários

  • Luciana

    Ah,mas que gênio! Novamente o Estado interferindo em assunto que nem ao menos domina prejudicando as iniciativas privadas com multas sem sentido algum.

  • FelipeCunha

    Pareceque na concepção do governo local, as indústrias de lá estão em outro planeta, resolveram não produzir por não quererem!!!

  • Ronaldo

    Típicodas ditaduras terceiro mundistas. Resolve tudo com um decreto. Incrível como não tiveram a ideia de publicar um decreto acabando com a pandemia ainda!

  • Alexandre

    Quandoa auto latina se instalou no Brasil deixaram de fabricar cem fuscas, os quais o trabalhador podia comprar, para fabricar um Santana, e vender pelo preço dos cem fuscas, que só os ricos podiam comprar. A indústria não pretende atender a população e sim apenas obter o maior lucro com menor investimento. Por onde andam os carros "populares ", que ao menos no Brasil nunca o foram? Resoluções do governo atendem a política do lucro acima de tudo. Assim é em todos os setores. Sobrevivemos as variants e Brasilias e todas as carroças do passado. Temos tecnologia para fabricar carros seguros e mais básicos para atender ao trabalhador que tem seu poder de compra cada vez mais deteriorado. Mas o objetivo é atender apenas a cada vez menor fatia que ainda possui algum poder de compra. E será assim se o Estado não puder intervir em setores estratégicos como Saúde, educação, saneamento. ...ou isso já existe apenas pra quem pode pagar?

  • wilsonpaes domingues

    Fechaas portas e muda para o Brasil, precisamos de geração de renda e mais empregos.

  • Carlos

    Sefosse possível resolver tudo por decreto, deveriam também decretar o fim da pandemia, seria mais fácil!

  • Elias

    Aindustria também precisa focar no lado social e não apenas no lucro

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now