Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Ford volta ao lucro com ganho de US$ 3,2 bi no trimestre, mas prevê problemas no ano
Jim Farley, CEO da Ford: “O impacto da falta de semicondutores na produção vai ficar pior antes de melhorar”

Balanço | 29/04/2021 | 21h00

Ford volta ao lucro com ganho de US$ 3,2 bi no trimestre, mas prevê problemas no ano

Empresa projeta perder a produção de 1 milhão de veículos por falta de semicondutores; e deverá pagar indenizações de US$ 4 bi para fechar fábricas no Brasil

REDAÇÃO AB

A Ford conseguiu voltar ao lucro no primeiro trimestre deste ano, apurando ganho líquido de US$ 3,2 bilhões no período, segundo divulgou a companhia da quinta-feira, 29. Com isso, a empresa superou o prejuízo de quase US$ 2 bilhões registrado nos mesmos três meses de 2020, no que foi seu pior resultado desde a recessão de 2009. Contudo, analistas projetam um ano difícil para a Ford, que poderá transformar o balanço positivo de agora em negativo até o fim de 2021.

A própria empresa prevê que terá sérios problemas com o fornecimento de semicondutores que integram os sistemas eletrônicos de seus carros, o que poderá cortar pela metade a produção programada para o período, comprometendo o faturamento do segundo trimestre. Analistas calculam que a falta de componentes poderá prejudicar cerca de 20% da produção planejada pela Ford este ano, o equivalente à perda de 1 milhão de unidades.

“A Ford está se tornando uma companhia mais forte e resiliente, que entrega resultados sob pressão. Nossa equipe está manejando com habilidade a escassez de suprimentos”, afirmou Jim Farley, CEO da Ford, mas reconheceu que “o impacto da falta de semicondutores na produção vai ficar pior antes de melhorar”. Segundo o executivo, a empresa está no momento monitorando as vulnerabilidades de sua cadeia de fornecedores para tentar evitar problemas futuros.

No primeiro trimestre as vendas globais da Ford somaram pouco mais de 1 milhão de veículos, o que representou queda de 6% na comparação com um ano atrás, mas o faturamento global de janeiro a março cresceu 5,5% em relação a 2020, somando US$ 36,2 bilhões. A retração de volumes foi compensada por preços maiores, além ganhos da divisão financeira da empresa, que lucrou US$ 962 milhões no período, e gastos US$ 400 milhões menores com custos de garantia.

PERDAS PERSISTEM NA AMÉRICA DO SUL



Quase todo o lucro da Ford no primeiro trimestre (86%) foi obtido nas operações da América do Norte. A empresa segue ganhando pouco na Europa e outros mercados internacionais, enquanto continua perdendo dinheiro na China e América do Sul, onde foi registrado o maior prejuízo no trimestre.

“A Ford continua a reverter seus negócios na América do Sul, onde o prejuízo EBIT (antes de impostos e despesas financeiras) de US$ 73 milhões representou o sexto trimestre consecutivo de melhoria em relação ao resultado de um ano antes”, diz a empresa em comunicado. “Uma significativa reestruturação das operações na região, anunciada em janeiro, está em marcha conforme planejado; os custos estruturais no período foram reduzidos em um terço”, acrescenta.

O anúncio de encerrar todas as operações industriais no Brasil, com o fechamento de três fábricas no País em Camaçari (BA), Taubaté (SP) e Horizonte/Troller (CE), segundo a própria Ford deverá custar US$ 4,1 bilhões em indenizações a cerca de 5 mil funcionários demitidos, centenas de fornecedores e concessionários. Por si só, esse valor já anula todo o lucro apurado no primeiro trimestre, mas muitos analistas avaliam que a desistência de produzir e vender carros mais baratos no mercado brasileiro poderá custar bem mais do que isso à Ford.

Segundo apontam os dados do balanço trimestral, a empresa já está pagando parte do preço pela decisão de parar de produzir no Brasil e reduzir significativamente sua presença no maior mercado do Hemisfério Sul. As vendas de veículos da marca na América do Sul no primeiro trimestre somaram 18 mil unidades e caíram 70% na comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto a participação de mercado na região declinou 3,3 pontos porcentuais, fincando em apenas 3,6% de janeiro a março. O faturamento regional de US$ 400 milhões é 40% menor do que o apurado um ano antes.

Ao que parece, assim como a falta de componentes para produzir nos Estados Unidos, os resultados da Ford na América do Sul ainda devem piorar antes de melhorar, comprometendo as expectativas de ganhos em 2021.



Tags: Ford, balanço, resultado, lucro, vendas, faturamento, finanças, primeiro trimestre 2021.

Comentários

  • LuísPires

    AFord fez uma escolha, abrindo mão dos mercados "emergentes" e se dedicando só aos maduros. Sem dúvida uma mostra de downsize global. Uma decepção para o velho Ford e para a engenharia.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now