Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Falta de componentes tende a piorar no 2º trimestre, admite Filosa
Linha de montagem do Polo Automotivo Jeep em Goiana (PE): produção em três turnos pode ser prejudicada por falta de eletrônicos

Indústria | 06/05/2021 | 19h20

Falta de componentes tende a piorar no 2º trimestre, admite Filosa

Stellantis mantém projeções de mercado para a América do Sul, mas prevê problemas até o fim de 2021

PEDRO KUTNEY, AB

A falta de componentes eletrônicos que está paralisando linhas de produção de veículos no mundo todo deve afetar o Brasil com mais força e atingir seu pior momento no segundo trimestre. A avaliação é de Antonio Filosa, presidente do Grupo Stellantis na América do Sul. Para o executivo, o problema tende a melhorar e ser mais administrável no segundo semestre, mas falhas de entregas devem continuar até o fim de 2021 e talvez em 2022 também.

“A falta de chips é global e cria vínculos no mundo todo. Este trimestre com certeza será o mais difícil. Nós até agora conseguimos minimizar o problema porque temos uma forte localização, nacionalizar sempre foi um valor que buscamos com Fiat e Jeep. Nesse momento isso nos ajuda um pouco, mas não resolve porque nossos fornecedores também precisam importar componentes da Ásia”, conta Antonio Filosa.



Por enquanto, o executivo afirma que a Stellantis tenta mitigar e gerencias a falta de eletrônicos. Na avaliação dele, a situação deve melhorar bastante no segundo semestre, mas não acaba este ano. Filosa não prevê que a crise atual promova grandes mudanças na cadeia global de suprimentos no curto prazo. “A questão é se podemos correr riscos temporários ou se é possível melhorar as opções, mas isso leva tempo. Somos uma indústria que consome muito caixa e com a pandemia precisamos tomar decisões sobre cortar custos e reduzir pedidos. Com a retomada da demanda os fornecedores não conseguiram atender na mesma velocidade. Agora precisamos administrar o problemas enquanto não há outra opção”, pondera.

Filosa reconhece que a falta de eletrônicos deverá afetar a recuperação dos mercados sul-americanos este ano, mas antes de mudar as projeções da empresa prefere esperar até o fim do semestre, quando segundo ele será possível calcular com maior clareza o tamanho do impacto na produção. “Se dependesse só da demanda, o desempenho do ano estaria em linha com nossa previsão, mas a escassez de componentes é severa e no segundo trimestre teremos o pior período”, afirma.

Até agora, a Stellantis mantém suas projeções para a região, prevendo vendas de veículos leves pouco abaixo de 2,4 milhões de unidades no Brasil, 400 mil na Argentina e cerca de 1 milhão nos demais mercados sul-americanos.



Tags: Stellantis, América do Sul, componentes, produção, chips, semicondutores, Antonio Filosa, Fiat, Jeep, Peugeot, Citroën, indústria.

Comentários

  • VAGNERGOMES DE OLIVEIRA

    Nostemos que manter uma meta, e ser objetivo, pois o clientes final não pode ficar esperando o produto por muito tempo. Por isso que tem ter foco .

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now