Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Em novo confinamento, Argentina suspende produção de veículos
Produção da Toyota Hilux na Argentina: paralisação da produção pode afetar entregas no Brasil

COVID-19 | 21/05/2021 | 13h14

Em novo confinamento, Argentina suspende produção de veículos

País entra em quarentena de 22 a 30 de maio e fábricas serão paralisadas

REDAÇÃO AB

O novo confinamento decretado pelo governo argentino na quinta-feira, 20, para conter a explosão de contágios e mortes por Covid-19 no país, deverá paralisar por completo de 22 e 30 de maio a produção de veículos e autopeças no país vizinho, interrompendo a esperada recuperação do setor este mês. Nos últimos meses, alguns fabricantes como Ford, Renault e Volkswagen fizeram contratações e ampliaram turnos e para produzir novos modelos e atender ao aumento da demanda interna e externa.

Publicidade



A nova quarentena afeta toda a cadeia do setor na Argentina, incluindo fábricas de veículos e autopeças, além das concessionárias que também terão de fechar as portas pelos próximos nove dias. A paralisação ocorre após a queda de 32,1% na produção das montadoras argentinas em abril na comparação com março.

A retração ocorreu por uma combinação de fatores: algumas fábricas reduziram o ritmo porque precisaram reorganizar suas equipes afetadas pelo aumento de contágios pela Covid-19, outras estavam ajustando suas linhas para produção de novos modelos – caso da Renault com a picape Alaskan e a Volkswagen com o SUV Taos a ser lançado na semana que vem –, e também houve uma greve dos trabalhadores dos portos e dos transportadores nas fronteiras do país, impedindo o fluxo comercial de peças e veículos.

Passados esses efeitos, esperava-se agora em maio pela recuperação da produção, exportações e vendas na Argentina, o que deve ser prejudicado pela nova interrupção total das linhas de produção. A paralisação também afeta as exportações ao Brasil, com possível atraso nas entregas de alguns modelos produzidos no país vizinho, como é o caso já citado do Taos em processo de lançamento, além de outros que vêm de lá como Toyota Hilux, Ford Ranger, Nissan Frontier, Peugeot 208 e Fiat Cronos, para citar só os cinco argentinos mais vendidos este ano no mercado brasileiro.

Em 2020 os fabricantes na Argentina produziram apenas 257 mil veículos, em queda de 18,3% sobre 2019, e este ano há expectativa de ultrapassar 370 mil unidades, contando ppara isso com a recuperação do mercado brasileiro e também das vendas internas, que no ano passado tiveram retração de 25,5%, com 342,5 mil emplacamentos.

Em 2021, os 149,3 mil veículos novos vendidos no primeiro quadrimestre significaram crescimento de 57,3% ante o mesmo período de 2020, sendo que seis dos dez modelos mais vendidos são fabricados na Argentina, o que pode impactar ainda mais os resultados se as interrupções de produção persistirem por mais tempo. A expectativa era de um mercado próximo a 400 mil unidades este ano.



Tags: Argentina, indústria, fábricas, quarentena, confinamento, lockdown, coronavírus, pandemia, Covid-19.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now