Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Brasil precisa ser um grande desenvolvedor de biocombustíveis, diz CEO da VW
Pablo Di Si, CEO e presidente da VW para a América Latina

Combustíveis | 25/05/2021 | 20h08

Brasil precisa ser um grande desenvolvedor de biocombustíveis, diz CEO da VW

Pablo Di Si afirma que o País deve “pensar grande” e se concentrar em exportar tecnologia, e não apenas etanol, para virar o motor da sustentabilidade no mundo

REDAÇÃO AB

Durante evento digital promovido na terça-feira, 25, pelos organizadores da Fenasucro & Agrocana – principal feira de bioenergia e do setor sucroenergético da América Latina –, Pablo Di Si, CEO e presidente da Volkswagen para a América Latina, voltou a defender o uso do etanol como opção mais racional de combustível para o Brasil. O executivo já é conhecido em vários setores por sua posição amplamente favorável ao biocombustível.

“O Brasil precisa pensar grande, precisa se mostrar para o mundo como um importante desenvolvedor de biocombustíveis, exportando tecnologia, e não só o etanol”, afirmou Di Si em sua apresentação. “Isso vai beneficiar as nossas exportações de veículos, sobretudo em mercados da América Latina e também na Índia” completou. Vale lembrar que o país asiático autorizou recentemente o uso do etanol puro como combustível e que o evento contou com a participação de Suresh Reddy, embaixador da Índia no Brasil.

Publicidade



Outro assunto muito comentado no evento foi o programa Combustível do Futuro, lançado pelo Ministério das Minas e Energia no dia 30 de abril. O presidente da VW aproveitou para elogiar o programa, que visa incentivar o uso de biocombustíveis como vantagem competitiva em relação a outras nações.

“Os carros elétricos são uma realidade, mas precisamos e podemos criar a nossa alternativa”, declarou Di Si, que também exibiu um gráfico mostrando que o etanol gera 84% menos emissões de CO2 do que a gasolina, na comparação de todo o ciclo produtivo (do poço à roda, como se diz no meio). Di Si defendeu também que haja uma maior divulgação das emissões baseadas nessa comparação, e não apenas “do tanque à roda”, como é feito atualmente. Ao se analisar todo o ciclo, um veículo híbrido com motor a combustão alimentado por etanol apresenta o menor nível de emissões de CO2 (inferior até que o de carros elétricos), afirmou o executivo, ao exibir um quadro comparativo.

Pablo Di Si disse ainda ser a favor da criação de novas tecnologias baseadas em biocombustíveis que permitam “alavancar o Brasil como motor da sustentabilidade no mundo”. Além disso, o executivo afirmou que o etanol é uma tecnologia complementar para automóveis com motores a combustão, híbridos e elétricos, ressaltando que ela é desenvolvida no Brasil e que tem potencial para ser exportada.

Por fim, o CEO e presidente da VW para a América Latina defendeu a criação de um programa “Rota 2050”, que vá além do atual Rota 2030, além do estímulo à pesquisa de maneira transversal, com participação do Governo, de universidades, de entidades e de empresas ligadas ao setor.



Tags: Combustíveis, etanol, biocombustíveis, Fenasucro, Agrocana, evento, Pablo Di Si.

Comentários

  • GilsonPaula Lopes de Souza

    Bomsenso e criatividade, mas sem esquecer os nosso feitos tecnológicos do passado.

  • Nelsonscivoletto

    Odesenvolvimento.de motores elétricos e irreversível e a grande estratégia de marketing.envolvendo as montadoras seria acelerar o processo de instalação de carregamento de energia nos postos de combustíveis e energia fotovoltaica nas garagens de residências. ..abastecimento custo zero. ...este a meu ver seria o grande apelo promocional para aquisição de auto veículos com motorização elétrica

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now