Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Ford lança plano com foco em elétricos e nova divisão de veículos comerciais
Outdoor anuncia o novo plano estratégico Ford+

Estratégia | 26/05/2021 | 20h30

Ford lança plano com foco em elétricos e nova divisão de veículos comerciais

Empresa eleva para US$ 30 bilhões investimentos em eletrificação até 2025, cria nova divisão Ford Pro e espera faturar US$ 20 bilhões com serviços conectados

REDAÇÃO AB

Em uma reunião com analistas financeiros e parceiros de negócios na quarta-feira, 26, a Ford apresentou seu plano estratégico a ser aplicado ao longo desta década até 2030. Sem grandes surpresas, o maior foco é na eletrificação da linha de produtos, com aumento para US$ 30 bilhões do investimento em novos veículos elétricos, sistemas e baterias até 2025. A empresa também promete ampliar o volume de modelos conectados da marca, com oferta de serviços que poderão render receitas de US$ 20 bilhões em 2030. No mesmo evento, foi anunciado a criação de uma nova divisão, a Ford Pro, encarregada nas operações de veículos comerciais.

Publicidade



Durante a reunião, o CEO Jim Farley destacou aos analistas que o plano Ford+ está centrado nos objetivos de oferecer novas propostas de veículos e serviços para reduzir custos, ganhar mais fidelidade e gerar maior retorno para todos os clientes.

“Esta é a nossa maior oportunidade de crescimento de criação de valor desde que Henry Ford começou a produzir o Modelo T e a estamos agarrando com as duas mãos”, afirmou Jim Farley.



FOCO NA ELETRIFICAÇÃO



Para justificar o aumento do investimento em eletrificação para US$ 30 bilhões até 2025, a Ford projeta que 40% do seu volume global de vendas sejam de veículos totalmente elétricos em 2030, incluindo modelos já conhecidos como Mustang Mach-E, a recém-apresentada picape F-150 Lightning e a van E-Transit, que estará nas ruas no final deste ano. Com essa expectativa, a empresa está investindo em tecnologia própria de baterias, incluído o desenvolvimento das IonBoost, e na construção de fábricas nos Estados Unidos.

A Ford pretende projetar, desenvolver e fabricar suas próprias baterias. Para isso está criando o Ford Ion Park, centro global de desenvolvimento de baterias composto por mais de 150 especialistas em química, testes, manufatura e gerenciamento da cadeia de valor, com o objetivo de aumentar a autonomia dos veículos elétricos e reduzir custos para os clientes e a própria fabricante.

Está no horizonte uma ampla gama de baterias, incluindo a íons de lítio IonBoost; IonBoost Pro de fosfato de ferro e lítio para veículos comerciais; e baterias de estado sólido de longo alcance e baixo custo, baseadas na própria engenharia da Ford e know-how da Solid Power, na qual a empresa tem participação acionária.

Também está em curso a formação da joint-venture BlueOvalSK, sociedade da Ford com a SK Innovation para produzir células e conjuntos de baterias em duas fábricas nos EUA, que vão equipar futuros veículos Ford e Lincoln.

MAIS VEÍCULOS CONECTADOS



Até o fim de 2021 a Ford estima que terá nas ruas uma frota de 1 milhão de veículos capazes de receber atualizações por conexão com a internet over-the-air (OTA), superando o volume da Tesla em julho de 2022. A perspectiva é que o número de modelos conectados Ford e Lincoln habilitados ao OTA vai saltar para 33 milhões em 2028. A ideia é usar essa conexão para oferecer novos serviços conectados ao longo dos próximos anos.

A conectividade possibilita aos clientes o uso de ferramentas digitais como Ford Pass e Lincoln Way, fazer pedidos on-line, opções simplificadas de financiamento e renovação, serviço de retirada e entrega de veículos e reparos móveis, bem como detecção e solução de problemas de qualidade com o uso de dados, ajudando a aumentar a satisfação do cliente e reduzir custos de garantia. Os carros também deverão conectar-se a plataformas de serviços de provedores como Apple, Amazon, Google e Baidu.

A Ford projeta que o desenvolvimento de tecnologias de assistência ao motorista, como a BlueCruise, novos softwares e recarga de veículos elétricos têm potencial para melhorar a experiência do usuário e gerar receitas com a oferta de serviços conectados, da orcem de US$ 20 bilhões em 2030.

NOVA DIVISÃO FORD PRO



Na reunião com os analistas a empresa também anunciou a criação de uma nova divisão, a Ford Pro, que vai centralizar todos os negócios globais de serviços e distribuição de veículos comerciais, totalmente dedicada a atender os requisitos de alta produtividade de clientes comerciais e governamentais.

A divisão terá um comando independente. Ted Cannis foi nomeado CEO da Ford Pro. O executivo foi chefe dos negócios de veículos comerciais da Ford na América do Norte e anteriormente dirigiu o Time Edison, de desenvolvimento de modelos elétricos.

A Ford Pro nasce com portfólio de três linhas de produtos: as picapes e caminhões leves da Série F, a picape média Ranger e as vans Transit. Em breve também entram na família de comerciais as versões elétricas e-Transit e a F-150 Lightning Pro. Também faz parte das operações da divisão a oferta de serviços digitais e físicos para gerenciar as frotas dos clientes, bem como o financiamento combinado de veículos, serviços e recarga. No caso dos modelos elétricos, a empresa vai instalar pontos de recarregamento de baterias em locais públicos, garagens e até na casa de empregados para o trabalho no dia seguinte.

Com a nova divisão a Ford espera aumentar sua atuação no mercado de veículos comerciais, com a oferta de produtos, acessórios e serviços, o que deverá elevar as receitas do segmento de US$ 27 bilhões em 2019 para US$ 45 bilhões em 2025.



Tags: Ford, Ford+, Ford Pro, estratégia, plano, investimento, indústria, elétricos, eletrificação, conectividade, veículos comerciais.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now