Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Caoa amplia vagas em Jacareí em 12% e já pensa na exportação
Exeed LX já está em testes de rodagem em território nacional. Nome oficial no Brasil ainda é está em discussão

Indústria | 31/05/2021 | 11h01

Caoa amplia vagas em Jacareí em 12% e já pensa na exportação

Com a contratação de trabalhadores na fábrica paulista, CEO da Chery quer acelerar o desenvolvimento de novos projetos, como a chegada da marca de luxo Exeed

ZECA CHAVES, AB

A estreia do Tiggo 3X Turbo no portfólio da Caoa Chery é só mais uma etapa de um processo de renovação previsto para os próximos meses para a montadora criada no Brasil no fim de 2017. Para dar conta do aumento da produção com a chegada do novo SUV e dos futuros projetos que vêm por aí, a fábrica de Jacareí (SP) está ampliando seu quadro de funcionários.

O complexo industrial, que hoje está com 560 trabalhadores, terá uma ampliação no quadro de pessoal que deve chegar a 12% para acomodar o crescimento da produção. “A gente deve passar agora para 620 a 630 funcionários”, diz Marcio Alfonso, CEO da Caoa Chery.



LEIA TAMBÉM:
> Tiggo 3X aposta em design e motor para ser o Caoa Chery mais vendido



Trabalho não faltará para essa turma, pois atualmente existem diversos projetos em andamento na montadora. A experiência de tropicalizar o Tiggo 3X para as necessidades do consumidor brasileiro despertou na direção da empresa o interesse de pensar na exportação. Isso faz parte do aprendizado deixado pelo novo SUV: ele exigiu uma boa dose desenvolvimento local, que incluiu a renovação do interior e uma nova calibração de motor, câmbio e suspensão.

Quem faz a adaptação de um produto para as condições brasileiras teria condições de fazer o mesmo para outros mercados da América do Sul. Portanto, era natural surgir o interesse em considerar a hipótese da exportação, apesar das dificuldades envolvidas na empreitada.

Publicidade



Para começar, capacidade produtiva não seria problema. A fábrica de Jacareí foi projetada para produzir até 50 mil unidades por ano, mas hoje está longe desse limite. Depois que a produção do Tiggo 3X embalar, ela chegará a um ritmo de 23 mil unidades anuais. No local ainda são montados o Tiggo 2 e os sedãs Arrizo 5 e Arrizo 6. Já Tiggo 5X, Tiggo 7 e Tiggo 8 são feitos na unidade de Anápolis (GO), cuja linha de montagem é compartilhada com os modelos da Hyundai que são fabricados pela Caoa no Brasil, como os SUVs ix35 e New Tucson e os caminhões HR e HD.

Ao falar sobre uma futura exportação, Alfonso alerta que o caminho ainda é longo e tudo será feito com calma, pois se trata de um processo complicado e cheio de riscos quando existe a necessidade de desenvolver e produzir um carro para abastecer um mercado diferente do Brasil.


Fábrica da Caoa em Jacareí tem capacidade instalada para produzir 50 mil unidades por ano

“Primeiro você tem de ajustar o produto às necessidades locais, depois tem de obter todas as certificações e por fim precisa testar nesse mercado para não ter nenhuma surpresa”, explica o executivo. “Tudo o que a gente não quer é ter em um novo mercado um problema que hoje não temos.” Alfonso lembra que uma alternativa para reduzir o risco e os custos do investimento seria tentar dividir o desenvolvimento com outro país.

CHEGADA DA NOVA MARCA DE LUXO



Enquanto a ideia da exportação ainda está em gestação, outro projeto já anda a pleno vapor: o lançamento de uma nova marca de SUVs de luxo, a Exeed. Ele faz parte do investimento de R$ 1,5 bilhão que a Caoa anunciou em Anápolis no fim do ano passado. Alfonso desconversa quando é questionado sobre a data de estreia, mas a previsão no início do ano era lançar ainda em 2021.

A estreia, porém, pode sofrer alguma alteração agora por causa do aumento do custo do frete (afinal, uma boa parte dos componentes são importados) e da crise global dos semicondutores, que torna quase impossível conseguir componentes eletrônicos para novos produtos. E o que não falta em carros de luxo são equipamentos recheados de microchips.

O novo SUV de luxo está rodando no Brasil há algum tempo, em testes de campo para avaliar seu desempenho no piso e nas condições climáticas do Brasil. Em janeiro, dois Exeed LX camuflados foram vistos trafegando na rodovia que liga Goiás a Brasília.

O NOME AINDA É UMA INCÓGNITA



Apesar de usar a mesma base do Tiggo 7, ele é muito mais sofisticado no nível de equipamentos e no padrão de acabamento. Há revestimentos que imitam madeira nobre e um painel que tem uma tela digital de quase meio metro de comprimento, que combina quadro de instrumentos e central multimídia numa só peça. Entre os itens disponíveis na versão chinesa, há sistemas de frenagem autônoma, piloto automático adaptativo e recurso de realidade aumentada no painel.

Se o lançamento dos novos SUVs de luxo é confirmado pela própria Caoa, o nome que eles terão ainda é uma incógnita. “Essa é uma discussão que estamos tendo exatamente agora”, comenta Alfonso. O executivo diz que algumas possibilidades estão sendo estudadas, desde criar uma marca própria chamada Exeed até usá-la para compor com nomes já existentes, como Caoa Exeed ou Caoa Chery Exeed.

Com o lançamento do Tiggo 3X e a preparação da linha Exeed, a Caoa Chery comemora um bom momento no Brasil, pois alcançou em abril a marca de 50 mil veículos fabricados localmente desde o início de suas atividades no País, no fim de 2017. Segundo a empresa, do total de automóveis, cerca de 20 mil saíram das linhas da unidade de Jacareí (SP), enquanto aproximadamente 30 mil foram construídos em Anápolis (GO).



Tags: Caoa Chery, Caoa, Chery, Tiggo 3X, Tiggo 2, Tiggo 5X, Jacareí, Marcio Alfonso.

Comentários

  • Antonioclaudio de morais

    Parabénscaoa chery. Que novos projtos sejam bem vindos

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now