Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Em maio, Fiat consolida liderança com o Argo, Caoa Chery sobe aos 10 mais, Ford e GM despencam
Fiat Argo tomou a liderança de vendas do mercado brasileiro em maio

Mercado | 02/06/2021 | 19h45

Em maio, Fiat consolida liderança com o Argo, Caoa Chery sobe aos 10 mais, Ford e GM despencam

Com 63% de vendas diretas, marca italiana emplaca os três carros mais vendidos do País no mês

PEDRO KUTNEY, AB

Em maio, os efeitos de paralisações de produção por falta de peças e estratégias corporativas seguiram promovendo grandes mudanças de posições no ranking de vendas de veículos leves no mercado brasileiro. Os números consolidados de emplacamentos divulgados na quarta-feira, 2, pela associação de concessionários, a Fenabrave, demonstram a consolidação da Fiat na liderança absoluta, com aumento de participação para 23%, enquanto Caoa Chery entrou pela primeira vez na lista das 10 marcas mais vendidas, não mão oposta da Ford, que despencou para fora do grupo, e da GM que segue perdendo market share e ficou com menos de 10% dos emplacamentos do mês.

Publicidade



Continua impressionante o desempenho da Fiat e das marcas do Grupo Stellantis em geral. Em maio a marca italiana emplacou 40,5 mil unidades e os três veículos mais vendidos do ranking nacional, com uma surpresa: o hatch Argo foi o líder pela primeira vez, seguido de perto pela picape Strada e (outra surpresa) o subcompacto Mobi nas segunda e terceira posições, respectivamente.

E na quarta colocação ficou um representante de outra marca do grupo, o Renegade, que junto com o Compass na oitava posição garantiu à Jeep o sexto lugar no ranking de marcas, com participação de 7,7% e 13,5 mil emplacamentos no total.

As vendas diretas (o faturamento direto ao consumidor) estão sustentando o forte desempenho da Fiat e Jeep. Em maio nada menos que 63% dos emplacamentos da Fiat foram por meio deste canal, onde lidera por larga margem os negócio com participação de 32,4%, muito à frente da segunda colocada Volkswagen, que teve 18,2% no mês passado.

Mas ninguém no mercado brasileiro vende mais por faturamento direto do que a Jeep, que em maio emplacou quase 80% de seus carro por venda direta, ficando na terceira posição deste canal, com participação de 13,6%, quase o dobro de seu market share geral.

Outra marca da Stellantis que teve desempenho acima da média em maio foi a Peugeot, que com 2.527 emplacamentos no mês cresceu 44,3% sobre abril e obteve a sua melhor participação de mercado desde 2014, com 1,4%, na 12ª posição do ranking nacional.

Destaque também para a Ram, que nunca vendeu tanto no País. Com apenas duas picapes de grande porte com preços acima dos R$ 400 mil, a marca emplacou 404 unidades em maio e foi a 22ª mais vendida no mês.

ASCENSÃO DA CAOA CHERY, DERROCADA DA FORD, TOMBO DA GM



Maio entrará para a história da sino-brasileira Caoa Chery, nascida no fim de 2017 da fusão em partes iguais do grupo brasileiro Caoa e da fabricante chinesa Chery. No mês passado, pela primeira vez a marca entrou no ranking das 10 mais vendidas do País, subindo à décima posição com 3,2 mil emplacamentos e 1,8% de participação de mercado.

A Caoa Chery vem ganhando tração nesse período de apenas três anos e meio com o lançamento de sete produtos (dois sedãs e cinco SUVs) – e nessa conta nem entrou ainda o mais recente deles, o Tiggo 3x, que foi lançado esta semana com a missão de ser o mais vendido da família e tende a empurrar a marca mais para cima no ranking.

É certo que a Caoa Chery também aproveitou algum espaço deixado no mercado pela Ford, que no começo deste ano desistiu de produzir no Brasil e acabou com sua linha de veículos mais baratos, o que fez a marca despencar mês-a-mês, caindo da quinta posição em dezembro de 2020 para a 11ª agora, com pouco mais de 3 mil unidades emplacadas em maio e apenas 1,7% de share. Atuando só com produtos importados, ao que tudo indica a Ford deve continuar em queda-livre e não regressa mais à lista das 10 mais.

Outra marca que vem deixando espaço para a concorrência é a Chevrolet, da General Motors, que após liderar o mercado brasileiro por cinco anos consecutivos começou a perder a briga no fim de 2020 para Fiat e Volkswagen. Este ano a situação piorou após a suspensão, desde março, da operação em Gravataí (RS) por falta de peças para produzir justamente os seus dois campeões de vendas, o hatch Onix e o sedã Onix Plus.

Sem produção, em maio o Onix desceu para a 13ª colocação do ranking de modelos mais vendidos e o Onix Plus caiu para a 16ª. O Chevrolet mais vendido do mês foi o SUV Tracker, mesmo assim na 11ª posição e com potencial de aprofundar sua queda este mês com a paralisação por seis semanas da fábrica de São Caetano do Sul (SP), onde o modelo é produzido. Com esses problemas, em 2021 a GM não só perdeu a liderança do mercado brasileiro para a Fiat como também foi ultrapassado pela Volkswagen na segunda posição.

Em maio a GM ficou na terceira posição do ranking de fabricantes com 17,3 mil veículos vendidos e registrou a pior participação de mercado de sua história no País, pela primeira vez abaixo de 10%, com 9,8%, ou cerca de apenas metade do porcentual dos últimos três anos. Com os grandes períodos de paralisação das fábricas brasileiras, será difícil para a GM reverter sua queda ainda este ano, mas ao contrário da Ford essa não é uma posição definitiva, pois a montadora ainda tem demanda por seus veículos e pode voltar a crescer após resolver seus problemas produtivos.

VOLKSWAGEN SEGURA POSIÇÃO, HYUNDAI CRESCE



Com dois carros no ranking dos 10 mais vendidos em maio, Gol na sétima posição e T-Cross na nona, a Volkswagen conseguiu manter na vice-liderança do mercado, com quase 29 mil emplacamentos no mês e participação estável de 16,5%. Devido à falta de componentes, a paralisação por 10 dias das fábricas de Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR), justamente onde são produzidos os dois modelos mais bem vendidos da marca, poderá piorar o desempenho este mês.

Quem também teve bom desempenho em maio foi a Hyundai, que emplacou dois de seus modelos nacionais na lista dos 10 mais vendidos, com HB20 em quinto e Creta em sexto, o que garantiu a quarta colocação à marca coreana, que encostou na GM com 16,8 mil emplacamentos e 9,6% de participação de mercado.





- Faça aqui o download do relatório de emplacamentos da Fenabrave em maio/2021
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Mercado, ranking, vendas, emplacamentos, desempenho, coronavírus, pandemia, Covid-19.

Comentários

  • CASSIOARTHUR PAGLIARINI

    Averdadeira surpresa é a GM. Foi muito afetada pela falta de componentes e o departamento de suprimentos deve estar passando por maus momentos: como deixar chegar a esse ponto? Hyundai cresce por causa dos incentivos pagos ao Creta antigo, nas vésperas da chegada do novo modelo. Jeep sobe por ações bem concebidas de marketing e por tirar vantagem dos faturamentos diretos. Renault caiu porque decidiu ser uma marca de maior prestígio e rentabilidade, resta saber se os clientes concordam. Faltou dizer parabéns à Fiat? Parabéns à Fiat.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now