Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Fábrica de microchips da Bosch na Alemanha vai amenizar crise dos semicondutores
Microchips são cada vez mais necessários nos veículos modernos

Indústria | 07/06/2021 | 18h50

Fábrica de microchips da Bosch na Alemanha vai amenizar crise dos semicondutores

A nova planta, em Dresden, custou € 1 bilhão e ajudará a diminuir a dependência da Europa dos componentes feitos na Ásia e nos EUA

REDAÇÃO AB

A Bosch inaugurou na segunda-feira, 7, sua fábrica de microchips localizada em Dresden, no leste da Alemanha. Resultado do investimento de aproximadamente € 1 bilhão, a nova planta vai começar a produzir componentes eletrônicos a partir de julho, inicialmente para serem usados em ferramentas elétricas. Para o setor automotivo, a previsão é de iniciar a fabricação em setembro, três meses antes dos planos iniciais.

A nova planta é uma das mais modernas do mundo, sendo totalmente conectada e orientada por dados, com máquinas e processos integrados e altamente automatizados, combinados com sistemas de inteligência artificial e da indústria 4.0, de acordo com a empresa.

Publicidade



“Para a Bosch, os semicondutores são uma tecnologia fundamental e é estrategicamente importante desenvolvê-los e produzi-los nós mesmos, em Dresden, com a ajuda da inteligência artificial, levaremos a fabricação de microchips para o próximo nível”, afirmou Volkmar Denner, presidente do conselho de administração da Bosch. Este é o maior investimento individual em mais de 130 anos de história da empresa e fortalece a posição da Alemanha como centro de tecnologia perante o resto do mundo.

Desde que as atividades econômicas começaram a ser retomada na Europa, nos Estados Unidos e, principalmente, na China, a demanda por microchips cresceu muito rapidamente, provocando gargalos no fornecimento e a paralisação de fábricas pelo mundo todo, principalmente EUA e Europa (leia aqui). No Brasil, a crise dos semicondutores já causou a paralisação da linha de montagem da Honda, da GM (a unidade de Gravataí está parada desde março) e recentemente da Volkswagen.

Para piorar, um incêndio em uma fábrica japonesa e o inverno rigoroso nos Estados Unidos prejudicaram a logística ainda mais, o que expôs a fragilidade das cadeias de suprimento das indústrias – e não só da automotiva. Por conta disso, a União Europeia estabeleceu uma meta de passar a produzir pelo menos 20% dos chips usados mundialmente até o fim desta década.

RESPOSTA EUROPEIA AO DOMÍNIO ASIÁTICO



“Não me sinto confortável pelo fato de um grande bloco econômico como a União Europeia não estar em posição de produzir microchips”, declarou a chanceler alemã Angela Merkel, durante discurso em uma conferência de organizações de pesquisas alemãs, de acordo com a agência Bloomberg. “Se este é um país famoso por sua indústria automotiva, não é muito bom se não conseguimos produzir o componente principal”, afirmou a dirigente. O Ministério da Economia da Alemanha concedeu cerca de € 140 milhões em incentivos à fábrica de Dresden, ainda segundo a Bloomberg.

“A nova unidade da Bosch vai atender clientes de todo o mundo”, afirmou Harald Kroeger, membro do conselho de administração da empresa, que disse acreditar em um crescimento da demanda mundial por semicondutores da ordem de 11% ainda neste ano, o que deve corresponder a um montante de € 400 bilhões. “Esse é mais um motivo importante para a Europa criar um ‘contrapeso’ à atual posição dominante das fabricantes asiáticas de chips”, acrescentou.

Segundo a Bosch, em 2016 os veículos novos possuíam, em média, mais de nove chips da empresa, ajudando a controlar dispositivos como airbags, freios ABS e sensores de manobras. Em 2019, o número de microchips saltou para mais de 17, e nos próximos anos, os especialistas acreditam que o total de componentes vai aumentar ainda mais com o aumento na procura por sistemas de assistência ao condutor, entretenimento e eletrificação do conjunto motriz. “Os semicondutores são os blocos de construção do progresso”, afirmou Kroeger.



Tags: Indústria, Bosch, fábrica, semicondutores, microchips, chips, Alemanha, Dresden, Europa, eletrônicos, componentes, Angela Merkel, Volkmar Denner, Harald Kroeger.

Comentários

  • Airplane

    ABOSCH e Angela Merkel estão certas em produzir microchips na Alemanha pois o Ocidente não pode continuar dependente do fornecimento de países asiáticos. Parabéns pela iniciativa e muito sucesso!

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now