Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Venda a PcD desaba com restrições e baixo valor de isenção
Carros para pessoas com deficiência: queda nas vendas

Mercado | 08/06/2021 | 18h20

Venda a PcD desaba com restrições e baixo valor de isenção

Após pico de 238 mil veículos em 2020, Anfavea aponta que segmento entrou em queda-livre

PEDRO KUTNEY, AB

Mais restrições e teto baixo para isenção de impostos devem acabar com a “festa” registrada desde 2011 nas vendas de veículos para pessoas com deficiência (PcD), que podem comprar com desconto de IPI, ICMS e IPVA – e por isso mesmo muito mais baratos. Segundo a Anfavea, associação dos fabricantes, após o pico de 238 mil carros faturados para PcD em 2020, que representaram 12% dos emplacamentos, este ano o segmento entrou em queda-livre.

Publicidade



Após uma década inteira de crescimento quase contínuo, começando com 34 mil veículos vendidos a PcD em 2011 – quando foi aprovada a lei que concede as isenções tributárias para esse público –, chegando aos 170 mil em 2019 e 238 mil em 2020, dois movimento explicam a retração esperada de agora em diante. Primeiro, no ano passado, o Confaz (conselho que reúne as secretarias de Fazenda de todos os estados) restringiu a isenção de ICMS para carros até R$ 70 mil apenas para pessoas com deficiências graves e médias, excluindo do benefício os quadros leves. Em um segundo golpe, este ano o governo federal editou Medida Provisória (MP) reduzindo a R$ 70 mil o limite a isenção de IPI para automóveis PcD – antes esse teto não existia. Adicionalmente, o Estado de São Paulo voltou a cobrar IPVA do público PcD.

“Nós concordamos com uma parte das restrições, em um momento de limitação de recursos, é melhor destinar a isenção para aqueles que realmente precisam, com deficiências médias e graves. Com isso já sabíamos que as vendas a PcD iriam cair este ano. Mas a limitação do desconto de IPI a apenas R$ 70 mil, se a MP for aprovada, vai derrubar muito mais o segmento e prejudicar quem precisa”, critica Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea.



A limitação da isenção de ICMS para carros de até R$ 70 mil está congelada há uma década ficou defasada e já era alvo de reclamações das montadoras. Com a proposta do governo de usar o mesmo teto – antes inexistente – para o IPI, Moraes avalia que o mercado de PcD tende a desaparecer ou se tornar insignificante, levando em conta que a maioria dos carros hoje custa bem mais que isso.

Ao analisar no início deste mês a MP 1034/21, que instituía a limitação de R$ 70 mil para a isenção de IPI de carros para PcD, a Câmara dos Deputados aprovou a legislação com mudanças, o teto do desconto tributário foi dobrado para R$ 140 mil e o tempo mínimo de propriedade antes de vender o veículo foi reduzido de quatro para três anos. Agra a MP segue para aprovação ou rejeição do Senado, que também pode promover alterações. Após esse trâmite, a legislação ainda poderá ser promulgada ou vetada total ou parcialmente pela Presidência da República.



- Faça aqui o download do relatório da Anfavea sobre desempenho da indústria até maio/2021
- Veja outras estatísticas em AB Inteligência





Tags: Mercado, Anfavea, vendas, PcD, Pessoa com Deficiência, isenção, IPI, ICMS, imposto, tributação, .

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now