Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Nissan quer transformar Resende (RJ) em polo de exportação
O brasileiro Airton Cousseau é presidente da Nissan Mercosul e diretor geral da marca no Brasil

Indústria | 08/06/2021 | 19h52

Nissan quer transformar Resende (RJ) em polo de exportação

Airton Cousseau, novo presidente para o Mercosul, planeja também aumentar investimentos em eletrificação no Brasil, incluindo célula de combustível a etanol

ZECA CHAVES, AB

Embora a fábrica da Nissan em Resende (RJ) só produza atualmente Kicks e V-Drive (antigo Versa), ela terá uma nova missão pela frente: transformar-se em um polo de exportação da marca para a América do Sul. E quem vai liderar esse movimento é o novo presidente da Nissan Mercosul e diretor geral da marca no Brasil, Airton Cousseau.

Nomeado para o cargo no fim de março, Cousseau não vê problema em ter apenas no Kicks, renovado em fevereiro, o único modelo com potencial para conquistar mercados externos. “Não quero muitos produtos no nosso portfólio, acho que isso não funciona”, declarou o brasileiro, que deu como exemplo o período em que ele comandou a operação da Hyundai Motor Brasil na época em que a montadora fabricava apenas o HB20. “Precisamos ter bons produtos nos segmentos em que queremos estar bem-posicionados”, disse o executivo durante sua primeira apresentação para jornalistas brasileiros.

Publicidade



Para conseguir aumentar o volume exportado pela Nissan, Cousseau acredita que os fornecedores são um ponto fundamental dessa estratégia, pois seria necessário também aumentar o nível de conteúdo produzido localmente. Porém ele diz não ter dúvidas de que a indústria nacional tem potencial para exportar mais e melhor.

“Se o Brasil conseguir descomplicar um pouco os tributos, transformar essa indústria mais competitiva, com o dólar a R$ 5 a gente pode se dar muito bem exportando veículos. Se somos o 7º mercado do mundo em produção, em exportação não somos nada. Então temos muita oportunidade aí”, acredita Airton Cousseau.



EXPORTAÇÃO DO KICKS: AMEAÇA DOS SEMICONDUTORES



Inicialmente a Nissan vai se concentrar em ampliar a exportação do Kicks, que hoje vai apenas para o Paraguai e a Argentina, onde o SUV tem alcançado bons resultados. “O Kicks é um êxito absoluto na Argentina, por isso estamos vendo como aumentar o número de produção para o país”. No ranking argentino das vendas de maio, o Kicks foi o 10º carro mais vendido e o líder entre os SUVs, pouco à frente do Jeep Renegade (veja o ranking aqui).

No entanto, o aumento da exportação para a Argentina não será fácil nos próximos meses. A produção brasileira da Nissan também foi impactada pela escassez de semicondutores, que obrigou a empresa a paralisar a linha de montagem por cinco dias alternados. A fábrica de Resende precisou parar nos dias 4 e 7 de junho e ainda terá de suspender suas atividades nos dias 11, 16 e 17. Cada dia de produção perdido representa em média 250 veículos a menos.

A boa notícia para a montadora é que essa paralisação não chegou a prejudicar as vendas da mesma maneira como tem afetado com outras marcas. “Como nós temos um estoque razoável, as vendas estão OK. Até aumentamos a nossa participação, que era de 3% e agora está em 3,2%.”

LIDERANDO A ELETRIFICAÇÃO NO BRASIL



Além do aumento da exportação, outro objetivo de Cousseau é tornar a Nissan referência nacional em eletrificação e ajudar o Brasil a abraçar essa nova tecnologia, que hoje tem uma participação marginal. Calcula-se que apenas 1% das vendas de veículos no País sejam de modelos elétricos ou híbridos.

Sua primeira meta será retomar os investimentos para promover e aumentar as vendas do elétrico Leaf, cuja nova versão foi lançada no final de 2019 e acabou sendo muito impactado pela crise dos semicondutores.

Usando um discurso muito otimista, Cousseau diz que enxerga boas oportunidades no mercado brasileiro nessa área, desde que a Nissan concentre esforços em duas áreas: melhorar a infraestrutura e desmistificar os problemas do veículo elétrico.

“Você pode ajudar a criar essa infraestrutura, fazendo parcerias com outras empresas, como as de energia elétrica, as que fabricam o carregador, as várias startups que atuam nessa área”, explica Cousseau.

Quanto à desmistificação, seria importante ajudar o consumidor a entender as reais vantagens e limitações dos carros elétricos. Ele deu como exemplo a autonomia. “Se um carro tem condições de rodar 260 km, é suficiente para o uso urbano, já que os deslocamentos na cidade não passam de 70 km. E basta deixá-lo na tomada à noite, como fazemos com um celular, para que ele recupere toda sua bateria.”

A redução de custo com combustível é outro ponto que ele considera pouco conhecido pelo público. “Se em um carro a combustão gasta-se uma média de 50 centavos de real por quilômetro rodado, com um elétrico esse valor é de 10 centavos.”

Para o presidente da Nissan Mercosul, outro elemento que pode ajudar a marca a conquistar a liderança na eletrificação seria o uso da célula de combustível a etanol, tecnologia que a fabricante desenvolveu no Brasil. “Com meio tanque de etanol e meio de água, dá para rodar 600 km, de modo 100% elétrico, sem produzir emissões”, disse.

A Nissan chegou a testar no Japão os dois furgões movidos a célula de combustível desenvolvidos aqui em 2016 e 2017, projetados a partir de veículos 100% elétricos e-NV200 e agora conhecidos como protótipos SOFC – Solid Oxide Fuel Cell. Com essa tecnologia, o etanol passa por uma reação química, de onde se extrai o hidrogênio, que depois é usado para produzir eletricidade e alimentar o motor elétrico.



Tags: Nissan, Airton Cousseau, Resende, Kicks, semicondutores, produção, exportação, elétricos, célula de combustível.

Comentários

  • ANTONIOVALENTIN CASTELETI JUNIOR

    Nãoentendo essa obsessão por veículos elétricos, supostamente "limpos", com energia elétrica vindo de usinas termelétricas a carvão, sem falar nos custos estratosféricos relacionados à produção de baterias.

  • Roberto

    Antonio,do comentario acima, vc esqueceu de mencionar a Bandeira vermelha II na questao do custo...creio que no atual valor do kWh fique mais caro o eletrico....e caso nao fique, a Aneel vai liberar mais reajustes afinal vão balizar a energia na gasolina como foi com o etanol ...Guedes, cadê o "choque de energia barata"? Rsrsrs

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now