Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Inclusão de pessoas LGBTI+ ainda é desafio para setor automotivo

Diversidade | 15/06/2021 | 15h50

Inclusão de pessoas LGBTI+ ainda é desafio para setor automotivo

Mesmo que o Mês do Orgulho LGBTI+ seja muito celebrado, baixo percentual de empresas do segmento têm ações e metas para a inclusão desses profissionais

NATÁLIA SCARABOTTO, AB



No Mês do Orgulho LGBTI+ as redes sociais ganham fotos com as cores do arco-íris, inclusive no perfil de empresas. Fora da internet, ainda há pouco para celebrar. No setor automotivo a inclusão de colaboradores gays, lésbicas, bissexuais, transsexuais e outros não é prioridade para a maior parte das companhias, faltam metas, políticas de inclusão e espaços acolhedores para esses colaboradores.

Dos diversos eixos da diversidade, a orientação sexual é a que menos sensibiliza as organizações do segmento, segundo a pesquisa Diversidade no Setor Automotivo, realizado por Automotive Business, em parceria com a MHD Consultoria.

O levantamento aponta que 65% das companhias não contam com diretrizes ou metas para a inclusão de colaboradores LGBTQI+. As empresas que têm diretrizes relacionadas ao tema são 25%, enquanto apenas 6% têm estratégia mais robusta, com metas efetivas para a inclusão desses colaboradores no quadro funcional. Para os cargos de chefia, somente 1% das organizações contam com objetivos estruturados para incluir pessoas LGBTI+ na liderança.

Nos benefícios oferecidos pelas companhias automotivas também deixam a desejar: só 24% das empresas oferecem direitos de licença parental igualitários para casais LGBTI+. A licença parental igualitária para pais e mães é oferecida por só 1% das empresas; enquanto a maioria de 61% oferece apenas o período de afastamento exigido por lei.

Para melhorar a inclusão, incluindo a diversidade de orientação sexual e identidade de gênero, as empresas do setor apostam principalmente em palestras e workshops de sensibilização sobre o tema. Cerca de 45% das companhias têm comitê ou liderança dedicada à diversidade e inclusão, mas 36% contam com orçamento dedicado à temática.

MAIS DO QUE LETRAS E CORES



A liberdade de expressar opiniões e exercer a própria personalidade no ambiente de trabalho deveria ser um direito essencial em qualquer organização, mas nem sempre funciona assim para pessoas LGBTI+.

Muitas empresas estão em estágios iniciais de implementação de ações de diversidade e ainda têm receio de mapear esse público dentro da companhia e lidar com a temática. Algumas companhias, no entanto, avançaram e são exemplos para se inspirar.

A Basf, em parceria com a Transempregos, contrata pessoas transexuais. As vagas são destinadas para profissionais de diversas áreas como comunicação, vendas e produção. A empresa também se preocupa com a inclusão e assegura aspectos como o uso do nome social em crachá, folha de pagamento, entre outros canais, como determina a legislação brasileira.

Incluir as LGBTI+ na companhia vai além da responsabilidade social, é também uma estratégia de negócio importante para valorizar um público com forte poder econômico. Segundo a assessoria corporativa LGBT Capital, essa população gasta 30% mais do que o público cisgênero (que se identifica com a identidade de gênero de nascimento) e heterossexual. Só em 2018, eles movimentaram em torno de US$ 107 bilhões em consumo no Brasil.



Tags: Diversidade, LGBTI+, Mês do Orgulho LGBTQI+, inclusão, carreira.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now