Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Honda confirma renovação e redução da linha de carros
Atsushi Fujimoto, novo presidente da Honda South America: renovação da linha de produtos com redução de portfólio

Estratégia | 15/06/2021 | 00h01

Honda confirma renovação e redução da linha de carros

Novo presidente da empresa na América do Sul, Atsushi Fujimoto afirma que veículos seguirão padrões globais da marca em segurança, eletrificação e conectividade

PEDRO KUTNEY, AB

Desde 1º de abril no comando da Honda South America e sediado no Brasil, Atsushi Fujimoto começou a preparar o plano de renovação completa da linha de carros da marca na região, que segundo ele confirma, deverá passar por uma redução no número de modelos produzidos nas duas fábricas da empresa em Sumaré e Itirapina, ambas no interior paulista. Substituindo o brasileiro Issao Mizogushi que ficou sete anos à frente dos negócios na América do Sul, o japonês Fujimoto afirma que todos os produtos serão renovados seguindo os padrões e tendências globais de segurança, meio ambiente (eletrificação) e conectividade, conforme o plano estratégico recentemente divulgado pela companhia.

Publicidade



Em seu primeiro encontro com jornalistas brasileiros, Fujimoto afirmou que serão feitos novos investimentos nos lançamentos previstos, mas não revelou valores nem modelos, evitando confirmar ou negar as informações veiculadas na imprensa que até o fim do ano a empresa deverá deixar de produzir no Brasil o sedã Civic e o hatch Fit, ao mesmo tempo em que lançará o novo City nas versões hatch e sedã (leia aqui), além de lançar renovações do HR-V e do WR-V.

“Teremos de fazer investimentos, que ainda não podemos divulgar, para lançar novos produtos que vão seguir a mesma estratégia global da Honda de segurança, meio ambiente e conectividade. Não posso adiantar nosso programa de lançamentos, mas está nos planos a redução da linha de carros”, afirmou Atsushi Fujimoto.



O executivo acrescentou que a empresa pretende continuar a operar no Brasil com as duas fábricas, Sumaré e Itirapina, que juntas têm capacidade para produzir 240 mil veículos por ano em dois turnos, “o que no momento é mais que suficiente para o que precisamos”, disse.

MAIS AMBIÇÃO




Produção da Honda em Itirapina: inaugurada em 2019 após ficar três anos fechada e pronta para operar

Desde 1992 vendendo automóveis no Brasil (já foram 2 milhões desde então) e desde 1997 com produção local em Sumaré, a Honda conquistou boa reputação entre os brasileiros e cresceu significativamente durante os anos 2000, formando filas de espera pelos seus carros, mas a partir de 2016 reduziu ambições, manteve pronta para funcionar e fechada por três anos a nova fábrica de Itirapina. Com produção abaixo da demanda e poucos lançamentos de expressão, começou a perder terreno. Em 2020 foram vendidos 84 mil automóveis Honda no Brasil, em queda de quase 35% sobre 2019 (muito acima da retração média de 27% do mercado), deixando a marca apenas na nona posição entre as mais emplacadas com 4,3% de participação. Este ano houve expansão de 20% nas vendas com 33,7 mil emplacamentos de janeiro a maio, ainda assim abaixo do crescimento médio de 31% do mercado no mesmo período.

Fujimoto reconhece o desempenho fraco e explica que foi um problema global da empresa, que nos últimos anos passou uma reestruturação para recuperar sua rentabilidade, o que incluiu o fechamento de algumas fábricas no mundo, como no Reino Unido e na vizinha Argentina. “Somos conservadores, mas pretendemos voltar a crescer com o nosso plano estratégico”, prevê.

O plano foi divulgado recentemente pelo CEO mundial Toshihiro Mibe – que assim como Fujimoto assumiu o posto em abril passado –, com os compromissos de meio ambiente e segurança que envolvem a partir de 2040 a produção apenas veículos zero-emissão elétricos (BEVs a bateria ou FCEVs com células de hidrogênio) e até 2050 eliminar mortes em acidentes em veículos Honda por meio da introdução massiva de sistemas de assistência à condução (ADAS) e direção autônoma. “No Brasil e na região seguiremos esses mesmos objetivos”, garante o CEO da Honda South America.

Na rota da eletrificação, já está agendada para este mês a chegada ao mercado brasileiro do sedã Accord Híbrido importado do Japão. Será o primeiro dos três híbridos da marca prometidos para o Brasil até 2023 – o que comprova que o País até pode seguir as mesmas tendências globais da empresa, mas o ritmo planejado é bem mais lento. “Também vamos aumentar o grau de conectividade de nossa linha deste ano em diante e o pacote Honda Sensing (de sistemas ADAS de segurança ativa) já presente nos (importados) Accord e CR-V serão introduzidos em todos os modelos da marca aqui”, afirma Fujimoto.

MOMENTO DIFÍCIL NO BRASIL



Desde 1986 trabalhando na Honda, Fujimoto atuou principalmente nas áreas de vendas e planejamento de produto e tem larga experiência internacional, mas sempre na Ásia, onde ocupou posições de liderança fora do Japão na Malásia, Tailândia e China. É a primeira vez na América do Sul e o executivo reconhece as dificuldades do cenário local, mas também vê oportunidades: “Chego em um momento especial em que a Honda comemora 50 anos de atividade no Brasil, onde começou a vender motos importadas em 1971. Estou ciente do cenário econômico brasileiro e nós temos de ser cautelosos. Há desafios, mas também há oportunidades”, avalia.

“Nossos negócios foram severamente impactados pela pandemia e agora lidamos com o problema da falta de semicondutores para produzir. Por isso é muito difícil fazer qualquer previsão de crescimento. Mas temos de ser flexíveis com os altos e baixos da economia e focar na nossa estratégia de longo prazo. Nessa perspectiva, confiamos no potencial do mercado brasileiro e vamos continuar a investir”, destaca Atsushi Fujimoto.



Para o executivo, a pandemia, a falta de microchips e os significativos aumentos de custos das matérias-primas para produzir são os principais problemas a enfrentar no momento. “Mas, por outro lado, felizmente a demanda no Brasil ainda é forte no Brasil, é um ponto positivo”, pondera.


Fábrica de motos da Honda em Manaus: a todo vapor, quando a pandemia e a falta de peças não interrompem a produção

O cenário no segmento de motos é melhor, reconhece Fujimoto. A marca é líder absoluta com cerca de 80% das vendas no mercado brasileiro. A fábrica da Honda em Manaus (AM) inaugurada em 1976 já produziu mais de 25 milhões de unidades, tem capacidade para produzir cerca de 1 milhão/ano e entre 2019 e este ano recebeu investimentos de R$ 500 milhões. No entanto, ao longo do último ano a planta precisou ser paralisada diversas vezes por causa do agravamento da pandemia no Amazonas, atualmente também enfrenta os problemas da falta e encarecimento de insumos que vem causando interrupções na produção.

“A recuperação do negócio de motos é mais rápida e mais consistente. O setor ganhou relevância com o aquecimento dos serviços de entrega. Este mês ultrapassamos a média de 4 mil unidades vendidas por dia, o melhor resultado desde 2015”, revela Fujimoto, que também é presidente da Moto Honda da Amazônia. “Entretanto, temos de continuar investindo em produtos. Nossas prioridades são liderar o crescimento do mercado de scooters, manter a posição de líder absoluto entre os modelos de baixa cilindrada e crescer no segmento de alta potência, onde ainda temos muitas oportunidades”, resume.



Tags: Honda, Atsushi Fujimoto, presidente, CEO, América do Sul, Brasil, mercado, indústria, segurança, eletrificação, híbrido, conectividade, pandemia.

Comentários

  • JoséFerreira Martins

    Boatarde tenho orgulho de fazer parte e trabalhar nessa impresa

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now