Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Como a thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo se reinventa aos 60 anos para criar o futuro carbono zero

Conteúdo de marca | 17/06/2021 | 04h00

Como a thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo se reinventa aos 60 anos para criar o futuro carbono zero

Companhia aposta na construção de novas soluções de mobilidade e entende que etanol e hidrogênio verde são alternativas que se somam à eletrificação no Brasil

VITOR MATSUBARA, AB

A década de 1960 marcou o surgimento da indústria automotiva no Brasil. Seduzidas pelo potencial do país classificado como a “terra das oportunidades”, várias empresas fincaram raízes por aqui. Foram elas, inclusive, que (literalmente) abriram caminho para a construção e expansão da malha rodoviária no país.

Só que, muito antes disso, eram os trens os responsáveis por escoar a produção agrícola brasileira. Café e outros produtos (inclusive minérios) eram transportados por ferrovias construídas em sua maioria por iniciativas privadas.

Foi essa promessa de um mercado próspero que motivou Alfried Krupp a realizar o primeiro investimento de sua empresa fora da Alemanha, em 1961.

Assim nasceu a Metalúrgica Campo Limpo, primeira planta metalúrgica da thyssenkrupp fora da Europa e que completa 60 anos de existência em 2021. Na ocasião, a cerimônia de inauguração teve as presenças do então presidente da República, Jânio Quadros, e do próprio Alfried Krupp.


À esquerda, placa sinalizava a instalação da planta no Brasil. À direita, José Carlos Cappuccelli, CEO da unidade Forged Technologies da thyssenkrupp no Brasil

DOS TRENS PARA OS VEÍCULOS



Curiosamente, a fábrica erguida para produzir componentes ferroviários nunca fabricou uma única peça para trens. Os esforços acabaram se voltando para a indústria automotiva, e o primeiro acordo foi firmado com a conterrânea Mercedes-Benz.

Desde então, a thyssenkrupp se tornou uma das maiores fornecedoras de peças do setor. A empresa diz que seus componentes equipam nove em cada 10 veículos fabricados na região.

“Hoje produzimos 80% de todos os virabrequins que equipam veículos médios e pesados no Brasil”, afirma José Carlos Cappuccelli, CEO da unidade Forged Technologies da thyssenkrupp no Brasil.



A fábrica localizada na cidade de Campo Limpo Paulista (SP) tem capacidade para fazer 800 mil virabrequins por ano. A empresa estima que 60% da produção é destinada aos mercados da Europa, Américas do Norte e do Sul. Hoje o quadro de colaboradores já conta com quase 2.300 pessoas.

Com esse volume, a Metalúrgica Campo Limpo é referência mundial dentro da empresa. Fábricas do grupo espalhadas pelo mundo tiveram participação direta de profissionais daqui. Hoje, as plantas dos Estados Unidos, México e Índia são comandadas por brasileiros.

DIVERSIFICAR PARA SEGUIR RELEVANTE



A indústria já sinaliza que a eletrificação será o futuro em todos os setores. Automóveis, ônibus e caminhões devem migrar rapidamente para os propulsores híbridos e elétricos nas próximas décadas.

Mesmo admitindo que “não vê uma tendência de eletrificação massiva na indústria brasileira nos próximos cinco anos”, Cappuccelli sabe que a tecnologia será o futuro dos transportes. Tanto é que adota um discurso bastante realista e indaga: “Quem hoje vai investir de maneira completa em uma linha de motores a combustão?”.

Diante desse cenário, a thyssenkrupp avalia que será preciso diversificar a produção de componentes. “Não podemos ser negligentes e pensar que vamos produzir virabrequins pelo resto da vida”, diz Cappuccelli.

Atualmente, a empresa realiza estudos com hidrogênio verde e outras fontes de energia viáveis para uso em larga escala.

ETANOL PODE SER ALTERNATIVA À ELETRIFICAÇÃO



Considerado por muitos especialistas como uma boa saída à gasolina, o etanol ainda tem força no mercado brasileiro e é utilizado até em veículos híbridos.

Cappuccelli acredita que o biocombustível derivado da cana-de-açúcar pode ser uma alternativa viável para o mercado brasileiro. Até porque a transição para energia elétrica não será um processo fácil de ser executado.

Independente do que acontecerá, a única certeza (ao menos por enquanto) é que os combustíveis fósseis estão com os dias contados. “O futuro vai ser carbono zero e é um engano pensar em qualquer fonte de energia que possa ir contra essa tendência mundial”, conclui Cappuccelli.



Tags: thyssenkrupp, metalúrgica, Campo Limpo, motos a combustão, carro elétrico, virabrequins.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now