Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias
Stellantis vai fabricar motores híbridos e elétricos no Brasil
Linha de produção de motores em Betim: eletrificação à vista

Powertrain | 21/06/2021 | 12h49

Stellantis vai fabricar motores híbridos e elétricos no Brasil

Novas motorizações seriam produzidas na fábrica de Betim (MG) e poderiam equipar modelos da Fiat, Jeep, Peugeot e Citroën, diz site

REDAÇÃO AB

Grupo que reúne no Brasil as marcas Fiat, Jeep, Peugeot, Citroën e Ram, a Stellantis entrará na era da eletrificação com sistemas híbridos e elétricos fabricados no Brasil, segundo reportagem publicada pelo site Autos Segredos.

De acordo com a matéria, o grupo vai produzir no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG), motores Firefly com tecnologia híbrida e motores 100% elétricos, que deverão equipar os primeiros veículos entre 2024 e 2025.

Publicidade



Essa motorização híbrida já equipa veículos da Stellantis na Europa, o que facilitaria o processo de nacionalização da tecnologia. No mercado europeu, a Jeep oferece o Renegade e o Compass híbridos plug-in, com a tecnologia chamada 4xe, que utiliza o motor 1.3 turbo Firefly a gasolina com potência entre 130 e 180 cv combinado a um motor elétrico, que fornece mais 60 cv.

A previsão da empresa é de que o Jeep Renegade 4xe seja lançado no mercado brasileiro ainda neste ano, inicialmente apenas como um importado, sendo assim o primeiro híbrido da Stellantis vendido no País.


Jeep Renegade 4xe: híbrido plug-in já é vendido na Europa com o mesmo motor a combustão 1.3 turbo já fabricado no Brasil

Nesse sistema, o motor a combustão gera tração para as rodas dianteiras e o elétrico movimenta o eixo traseiro, o que na prática faz com que esses veículos tenham tração 4x4. Esses modelos podem rodar até 50 km apenas no modo elétrico e têm uma bateria que pode ser recarregada na tomada ou pelo próprio motor a combustão, conforme a necessidade.

Fruto da fusão entre PSA e FCA concluída em janeiro, a Stellantis inaugurou em março a linha de produção dos motores GSE Turbo, que se integrou às dos motores Fire e Firefly, em Betim, resultado de um investimento de R$ 500 milhões. Esse aporte já fazia parte do programa de R$ 16 bilhões que a companhia planejou para a operação brasileira no período 2019-2025, o que pode indicar que os planos de eletrificação já estavam previstos dentro desse ciclo de investimento.

Como a fábrica de Betim pertence à Stellantis, o caminho natural é que esses motores que atualmente equipam modelos da Fiat e Jeep sejam também utilizados nos próximos lançamentos da Peugeot e Citroën, inclusive numa configuração híbrida, dependendo da estratégia de cada marca.

A reportagem diz que, depois da estreia de produção dos sistemas híbridos, haverá um segundo ciclo que terá o foco na produção de motores 100% elétricos em Betim. “No caso, a estreia deverá ser no fim da década. Porém, isso não quer dizer que os motores a combustão serão deixados de lado imediatamente aqui no Brasil. Na Europa, o presidente da Fiat confirmou que a partir de 2030 seus modelos não serão mais a combustão”, explicou o texto publicado.

A matéria afirma ainda que já há “estudos para que a fábrica de motores da PSA em Porto Real (RJ) seja desativada e a produção de motores do grupo Stellantis fique concentrada na fábrica da Fiat em Betim (MG)”.

Consultada pela reportagem de Automotive Business, a Stellantis disse que não poderia comentar oficialmente o assunto até o dia 8 de julho, quando haverá um evento global para anúncio das prioridades e linhas gerais de desenvolvimento no campo da propulsão elétrica.



Tags: Stellantis, Fiat, Jeep, Citroën, Peugeot, Betim, elétricos, motores, powertrain.

Comentários

  • CarlosR M Ferreira

    Querose possível receber suas newslatter

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now