Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 31/08/2010 | 00h00

Mundo vive 'estagnação benigna' e Brasil se beneficia disso

Conclusão é do economista-chefe do Bradesco, Octávio de Barros.

Marcelo de Paula, para Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Marcelo de Paula, para AB

Para o economista-chefe do Bradesco, Octávio de Barros, o mundo vive um momento distinto que ele chama de “estagnação benigna”, um cenário de retomada muito lenta do crescimento acompanhada de deflação, porém, sem incertezas que possam levar a uma nova recessão, como ocorreu no período 2008/2009. O grande beneficiário disso é o Brasil, cuja economia caminha bem, com aumento do poder aquisitivo da população, inserção de boa parte da população no mercado de consumo e situação política estável, o que dá confiança para quem deseja investir por aqui.

Barros explica que a expectativa de crescimento do Brasil para este ano é de 7,2% e para o ano que vem de 4,5%. Este último índice, aliás, deve se repetir nos anos seguintes e é considerado um bom número considerando a capacidade da economia nacional de atender a demanda crescente.

“Este ano teremos o terceiro maior crescimento mundial, embora o país ainda cresça um pouco abaixo do seu potencial. O que não é tão ruim assim, pois se trata de um avanço de forma sustentável”, comentou, lembrando que nos últimos 12 meses os anúncios de investimentos por parte das empresas aumentaram 140%.

A alta competitividade do Brasil na exportação de commodities tem muito a ver com essa situação. É curioso até. Embora haja críticos da pauta de exportação, já que produtos como minério de ferro e soja têm valor agregado baixo, foram eles que permitiram o acúmulo de mais riqueza, já que o preço de venda deles aumentou bem mais que o custo de produção.

“Isso gerou ao País ganhos de cerca de R$ 150 bilhões, permitindo a expansão de programas sociais, entre outras ações, que aumentaram a renda de muitos brasileiros e fortaleceu ainda mais a economia”, disse o economista. Com a expansão da renda, setores de maior valor agregado, como o automotivo, por exemplo, foram beneficiados porque tem mais gente com poder de compra. Por outro lado, Barros observou que a altíssima competitividade do setor, que hoje conta com dezenas de montadoras instaladas, também beneficiou os consumidores, já que os preços dos veículos apresentaram queda.

Surfe

A situação do Brasil é tranquila em parte porque o País possui opções que outras nações concorrentes não têm. A demanda por produtos manufaturados arrefeceu no mundo por conta da crise e também da alta do câmbio. No entanto, o País surfa no crescimento astronômico da economia chinesa. E, como já foi citado acima, as commodities vendidas para a potência asiática, geram os recursos que aquecem a economia doméstica, mantendo o ritmo de produção de nossa indústria.



Tags: economia, Brasil, crescimento, consumo, PIB, competitividade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now