Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Insumos | 21/10/2010 | 12h29

Aço: produção cai 7%, importação avança mais de 160%

Siderurgia está preocupada com as compras externas.

Alana Gandra, Agência Brasil

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Números divulgados nesta quarta-feira, 20, pelo Instituto Aço Brasil (IABr) mostram que a produção brasileira de aço bruto caiu 7% em setembro deste ano em comparação ao mês anterior, totalizando 2,7 milhões de toneladas. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a retração foi de 1,2%.

Já a produção de laminados alcançou 2,1 milhões de toneladas, apresentando elevação de 6,2% em comparação a setembro do ano passado. Em relação a agosto deste ano, houve redução de 1,1%.

A queda, porém, não é significativa, na avaliação do presidente executivo do instituto, Marco Polo de Mello Lopes. Ele disse que a redução da produção pode estar ligada a algum grau de paralisação das usinas para efeito de manutenção. “Não é nada que represente algum nível de preocupação. A gente continua com aquela estimativa de recorde de consumo, a produção mantendo os níveis esperados e o que preocupa, isso, sim, são as importações”, manifestou.

Os dados acumulados pelo IABr até setembro de 2010 revelam acréscimo de 34,4% na produção de aço bruto, que atingiu 24,8 milhões de toneladas, e de 40,3% na produção de laminados (19,7 milhões de toneladas) em relação a igual período de 2009.

No mercado doméstico, as vendas de aço em setembro registraram queda de 2% sobre agosto, mas mostraram crescimento de 7,9% em comparação a setembro do ano passado. No acumulado janeiro/setembro, as vendas internas subiram 42%, somando 16,3 milhões de toneladas.

Ainda segundo o IABr, enquanto as exportações siderúrgicas apresentaram até setembro retração de 5% em termos de volume e incremento de 10,6% em valor, as importações subiram 160,2% em volume no ano, na comparação com o mesmo período anterior.

O setor siderúrgico brasileiro está preocupado com o crescimento das importações de aço. Marco Polo afirmou que, de um lado, o quadro é favorecido pela questão cambial, “que afeta o país como um todo”. Disse que a apreciação do real está em torno de 20% , “no mínimo”, enquanto a desvalorização do yuan (moeda chinesa) alcança cerca de 40%. “Só nessas duas variáveis você tem uma vantagem cambial de mais de 70% para as exportações chinesas, o que é impossível de acompanhar”.¨

Segundo Marco Polo, de outro lado existe a guerra fiscal entre os estados visando a atrair mais empreendimentos. “Com isso, você tem reduções do Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMs) para patamares também que são inaceitáveis. Nós entendemos, inclusive, como ilegal”. Além disso, o mercado internacional está com excedentes significativos em função da expectativa de elevação do preço, o que não ocorreu. Todos esses fatores favorecem as importações, explicou.

Os dados do IABr revelam, também, aumento de 19,5% no consumo aparente nacional de produtos siderúrgicos em setembro e de 55,4% no acumulado dos nove primeiros meses do ano.

Fonte: Alana Gandra, Agência Brasil.



Tags: Siderurgia, aço, Instituto Aço Brasil.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now