Automotive Business
  
News Mobility Now

Notícias

Ver todas as notícias

Mercado e Negócios | 10/12/2010 | 10h03

Entenda a nova fábrica da Fiat em Jaboatão

Empresa aproveitará extensão dos incentivos fiscais do Nordeste.

Pedro Kutney, Automotive Business

NOTÍCIAS AUTOMOTIVAS EM QUALQUER LUGAR
Email RSS Twitter WebTV Revista Mobile Rede Social


Pedro Kutney, AB

A Fiat vai finalmente descentralizar sua produção no Brasil – e aproveitar os gordos incentivos fiscais federais e estaduais oferecidos a fabricantes de veículos que se instalam no Nordeste do País. A nova fábrica será erguida em Jaboatão dos Guararapes, cidade situada na região metropolitana de Recife. A Fiat ainda não divulgou o montante do investimento, nem a capacidade da nova unidade, mas algumas apostas de fontes do setor situam o aporte em torno de R$ 2 bilhões, para fazer de 250 mil a 300 mil carros por ano.

O anúncio oficial da nova fábrica será feito provavelmente na próxima terça-feira, quando o presidente Lula estará em Pernambuco e deverá aproveitar a oportunidade para anunciar o último grande investimento de sua gestão, com o simbolismo adicional de ser justamente em seu Estado natal, de onde saiu ainda criança.

Para decidir sobre o investimento a Fiat fez diversas gestões junto aos governos federal e estadual, e teve seus pedidos atendidos pelos ministérios do Desenvolvimento e da Fazenda, que convenceram o presidente Lula a assinar a Medida Provisória 512, em 25 de novembro passado. A MP estende as renúncias fiscais da Lei 9.440, de 1997, para novos projetos a serem apresentados até o próximo dia 29 deste mês.

Falando à Automotive Business sobre a publicação da MP na condição de presidente da Anfavea na última segunda-feira, 6, Cledorvino Belini, que comanda a Fiat no Brasil e na América Latina, disse que “para incentivar o desenvolvimento regional os incentivos fiscais são válidos”. Ele recordou de quando dirigia a Magneti Marelli, fabricante de autopeças do Grupo Fiat, e recebeu benefícios “por homem contratado”, ao instalar uma fábrica de amortecedores nos Estados Unidos. “Para atrair empresas a certas regiões é necessário criar benefícios”, avaliou. “Pelo que sei a Ford está se dando muito bem com isso em Camaçari.”

Incentivos

Ao usufruir dos benefícios da Lei 9.440, feita para incentivar a instalação de fabricantes de veículos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, a Fiat poderá descontar o IPI dos carros produzidos em Pernambuco na razão de duas vezes o recolhimento de PIS/Cofins – o que na prática significa isenção total de IPI. Provavelmente, também receberá desconto de ICMS do governo estadual – em sua fábrica de Camaçari, por exemplo, a Ford recebe do governo baiano abatimento de 65% no imposto estadual.

Os incentivos da lei federal iriam acabar no fim deste ano, mas o governo já tinha alterado a legislação, também via MP, em novembro de 2009, para beneficiar a Ford em Camaçari, na Bahia. Na época os benefícios foram estendidos até 2015, com redução gradual do desconto do IPI, que de duas vezes o valor devido de PIS/Cofins até o fim de 2011, cairá 0,1 ponto ao ano, até chegar a 1,5 vez o PIS/Cofins em 2015. Os créditos de IPI acumulados poderão ser usados pelas empresas beneficiadas até 2020, que também estão obrigadas pela legislação a aplicar 10% das isenções recebidas em pesquisa e desenvolvimento de produtos novos ou já existentes.

Os benefícios fiscais da Lei 9.440 estavam restritos a empresas já instaladas nas regiões incentivadas – além da Ford em Camaçari, a fábrica da Mitsubishi em Catalão e da Hyundai/CAOA em Anápolis, ambas em Goiás. O que o governo fez agora foi ampliar o incentivo para novos projetos ou produtos e abrir uma janela de enquadramento até o próximo dia 29.

Para se enquadrar na lei, a Fiat está comprando em Jaboatão uma fábrica da TCA, fabricante de chicotes elétricos de origem argentina. A comprar a unidade, a Fiat herdará os benefícios fiscais da empresa no Estado e ainda poderá alterar o produto a ser feito – no caso, carros.

Para confirmar a compra da TCA, a Fiat só aguarda a publicação de um decreto-lei pela Presidência da República – o que deve acontecer nesta sexta-feira, 10 – para regulamentar a MP de novembro, amarrando melhor os detalhes legais.

A renúncia fiscal decorrente da Medida Provisória é estimada pelo governo em R$ 4,5 bilhões, nos próximos 5 anos, considerando a produção de 100 mil unidades por ano, com valor médio de R$ 40 mil.

Foto: Cledorvino Belini, presidente do Grupo Fiat para a América Latina



Tags: Fiat, Ford, Camaçari, Magneti Marelli, investimento, fábrica.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

Mobility Now