Fabricantes montaram pouco mais de 13 mil ônibus até agosto

Produção vem estável no mês a mês, mas ainda é baixa se comparada a períodos anteriores à Covid-19

mario
Mário Curcio, para AB
  • 08/09/2021 - 18:02
  • | Atualizado há 1 semana, 4 dias
  • um minuto de leitura

    O mês de agosto teve 1,5 mil ônibus produzidos, anotando ligeira queda de 1,5% na comparação com julho. No acumulado do ano o País fabricou 13,4 mil unidades, o que indica alta de 12,1% sobre os mesmos oito meses do ano passado. Os números foram divulgados na quarta-feira, 8, pela Anfavea, associação que reúne os fabricantes.

    “A produção vem estável em relação a meses anteriores, mas ainda está muito abaixo de 2018 e 2019”, lamenta o vice-presidente da Anfavea, Gustavo Bonini.

    Segundo dados da entidade, até agosto de 2019 já haviam sido produzidos 19,4 mil ônibus, número 45% superior ao do período atual. O maior volume montado é de modelos urbanos, 11,6 mil, com crescimento de 20,4% sobre iguais meses de 2020.

    Já os ônibus rodoviários totalizaram menos de 1,8 mil, o que leva a uma queda de 22,9% na comparação com iguais meses do ano passado. É um reflexo direto da redução das atividades turísticas e viagens intermunicipais e interestaduais como consequência da pandemia de Covid-19.

    As exportações andam baixas pelo mesmo motivo. Embora os embarques de agosto (383 unidades) representem alta de 15,7% sobre julho, o acumulado do ano teve apenas 2,6 mil ônibus enviados ao exterior, o que indica alta de apenas 3,2% sobre iguais meses do fraco 2020. Os ônibus rodoviários responderam por apenas um terço das exportações e tiveram queda superior a 30%, enquanto o envio de urbanos anotou alta próxima a 40%. Bonini ressalta que as bases de comparação em ônibus são muito baixas, já que este foi o setor mais atingido pela pandemia.

    Caminho da Escola perde força em agosto 

    Segundo a Anfavea, em agosto foram emplacados 1,3 mil ônibus, praticamente repetindo o resultado de julho. “É outro resultado estável na comparação com meses anteriores”, diz Bonini. Os licenciamentos para o programa governamental Caminho da Escola representaram em agosto 13% do total.

    “O programa chegou a 30% em meses anteriores e perdeu força. O novo processo licitatório deve trazer resultados somente no fim do ano”, estima o vice-presidente da associação. De acordo com Bonini, o maior peso em agosto foi dos ônibus urbanos (35%). A seguir vieram os mini e micro-ônibus (27%).

    O acumulado do ano teve apenas 10,1 mil ônibus emplacados, indicando alta de 15,4% sobre iguais meses de 2020. Já a comparação com os mesmos oito meses de 2019 aponta retração de 25%.