Como o superpacote trilionário de Biden irá afetar a mobilidade nos EUA

Aporte de US$ 1,2 trilhão incluirá verba para renovar pontes e estradas e fomento à eletrificação

Por REDAÇÃO AB
  • 10/08/2021 - 16:00
  • | Atualizado há 1 mês, 1 semana
  • um minuto de leitura


    O Senado dos Estados Unidos aprovou na terça-feira, 10 de agosto, um superpacote de infraestrutura orçado em US$ 1,2 trilhão proposto pelo presidente Joe Biden. O projeto foi aprovado por 69 votos a 30 e agora será encaminhado para tramitação na Câmara dos Representantes.

    O pacote foi uma das grandes promessas de campanha de Biden e tem o objetivo de renovar partes essenciais da infraestrutura estadunidense, como pontes, rodovias e torres de telecomunicações. Mais do que isso, será uma injeção de dinheiro na economia do país, que se recupera dos efeitos da pandemia de covid-19. Dois milhões de empregos devem ser criados.

    Veja como o valor será aplicado para melhorar a mobilidade:

    US$ 110 BILHÕES PARA PONTES E ESTRADAS



    É uma necessidade urgente do país, já que relatórios recentes demonstraram que muitas pontes podem estar em risco de colapso. Em 2019, por exemplo, um relatório apontou que mais de 47 mil pontes nos EUA são “estruturalmente deficientes”, o que significa que precisam de reformas drásticas urgentes. Por isso mesmo, essa área está levando 20% do orçamento do pacote, um investimento histórico no setor.

    US$ 66 BILHÕES PARA TRANSPORTE SOBRE TRILHOS



    O ex-presidente Barack Obama até tentou, mas todos os projetos de trilhos para trens de alta velocidade de sua gestão foram cancelados ou atrasaram terrivelmente. Com isso, os EUA se viram ficando para trás entre os países ricos no que diz respeito à modernização dos trilhos para permitir o transporte rápido. Biden quer reverter esse cenário.

    US$ 39,2 BILHÕES PARA TRANSPORTE PÚBLICO



    Esta categoria inclui ônibus, metrô, VLTs, monotrilhos, trólebus, balsas e outras formas de transporte que são total ou parcialmente subsidiadas pelo estado. É um setor que emprega quase meio milhão de pessoas e movimenta US$ 80 bilhões na economia americana anualmente. A maior parte do dinheiro irá para a longa lista de reparos acumulada, mas também haverá expansão do sistema e investimento em acessibilidade.

    US$ 7,5 BILHÕES PARA CARROS ELÉTRICOS



    Biden é defensor ferrenho dos carros elétricos. O presidente está determinado a garantir que 50% do total de vendas de automóveis sejam elétricos até 2030. Para isso, está estabelecendo metas duras de cortes de emissões de gases poluentes e já havia anunciado um pacote de US$ 174 bilhões para os carros elétricos em março. O dinheiro deve ir para a construção de redes de recarga e para incentivos à compra dos veículos pela população. Um órgão nacional será criado para gerir a rede e veículos públicos, como ônibus, serão eletrificados.

    US$ 25 BILHÕES PARA AEROPORTOS



    O dinheiro irá para a renovação de todas as áreas dos aeroportos americanos, incluindo terminais, pistas de decolagem e de taxiamento e torres de controle.