Depois de incêndios, GM vai trocar módulos de bateria dos Chevrolet Bolt

Segundo recall começou em julho e empresa irá gastar mais de US$ 800 milhões na tarefa

Por REDAÇÃO AB
  • 17/08/2021 - 16:00
  • | Atualizado há 2 semanas, 1 dia
  • um minuto de leitura


    A GM revelou ao blog Electrek que irá começar a substituir completamente os módulos de baterias dos Chevrolet Bolt nas próximas semanas, a partir de 23 de agosto. Os clientes irão receber módulos completamente novos, com garantia de 8 anos e 160 mil km.

    O anúncio acontece após vários relatos de baterias dos Bolt pegando fogo. Só em julho de 2021, foram quatro incêndios reportados. A imagem deste post é de um vídeo de setembro de 2019 na Ucrânia.

    A primeira medida da montadora veio em novembro, quando ela anunciou um recall e passou a recomendar que os proprietários carregassem apenas 90% da capacidade de suas baterias. Posteriormente, a empresa lançou atualizações de software que forçavam essa medida de segurança no sistema dos carros.

    No entanto, essas medidas não resolveram completamente o problema e novos incêndios foram reportados. O segundo recall veio em julho, junto a um pedido para os donos não carregarem seus carros dentro de ambientes fechados (como garagens) e não deixarem os automóveis reabastecendo sozinhos.

    Os veículos convocados são dos anos-modelo 2017 a 2109, da mesma geração que foi comercializada no Brasil. Consultada por Automotive Business, a GM do Brasil informou que o recall americano não se aplica às unidades vendidas no mercado brasileiro, pois seriam todas da linha 2020.

    US$ 800 MILHÕES PARA FAZER RECALL



    No começo deste mês, as ações da GM caíram 8% após a companhia anunciar que teria que desembolsar US$ 800 milhões para substituir as baterias faltosas dos Bolt no segundo recall. A LG, fabricante do componente, também teve suas ações derrubadas pelo mesmo motivo. Segundo a GM, a razão para os incêndios são dois problemas “raros” no processo de fabricação das baterias pela LG. Vale dizer que a empresa também fabrica as baterias do Kona EV, do Ioniq e dos ônibus Elec City – todos tiveram que sofrer recall por causa das peças.

    Para os Bolt, a substituição completa dos módulos será para os que tiveram unidades fabricadas no intervalo de tempo em que os erros de fabricação foram presentes (2017 a 2019) e para os que costumam descarregar completamente a bateria, algo que pode ser provado pela telemetria do veículo. Essas são as situações em que o risco é maior.

    Os módulos defeituosos serão enviados de volta para GM e LG para análise. A montadora pretende desenvolver um método para detectar se cada unidade do Bolt pode se incendiar.