Ajude a construir o Índice de Transformação Digital do Setor Automotivo

Responda ao questionário e descubra as oportunidades de melhoria para a sua empresa

Por REDAÇÃO AB
  • 31/08/2021 - 14:14
  • | Atualizado há 2 semanas, 1 dia
  • um minuto de leitura

    Em parceria com o Cesar - Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife, Automotive Business realiza o Índice de Transformação Digital do Setor Automotivo. É a segunda edição do levantamento, realizado pela primeira vez em 2019. O objetivo é mapear o nível de maturidade do segmento no tema e identificar oportunidades de acelerar a evolução.



    - Clique aqui para responder ao Índice de Transformação Digital do Setor Automotivo



    Todo profissional do setor automotivo pode contribuir com a o estudo, basta preencher este questionário. Além de colaborar com a construção de conhecimento sobre a indústria, os respondentes recebem uma análise detalhada com recomendações para fomentar a transformação digital na própria empresa.

    Para desenhar um cenário consistente, o índice é construído com base em oito eixos:

    - Cultura e pessoas: perspectiva do ser humano em relação às mudanças na era digital, passando pelo papel de líder nas transformações e pela função das empresas nas novas configurações das sociedades e dos negócios.

    - Consumidores: trata-se da mudança na relação entre as organizações e os seus consumidores. Passa pela possibilidade de customização, disponibilidade e oferta de soluções conectadas e sob demanda.

    - Concorrência: a era digital reconfigurou a competição. Mesmo empresas bem estabelecidas podem ser fortemente impactadas por novos competidores ágeis, inesperados e assimétricos.

    - Inovação: há novos métodos e processos. Antes as empresas desenhavam e lançavam sozinhas seus produtos no mercado. Agora a cocriação e a contínua experimentação são as estratégias com maior potencial.

    - Processos: este é o eixo da otimização. Passa pelo mapeamento de como as empresas se envolvem digitalmente com o setor em que estão inseridas, e da propensão ao uso de software para gerenciar operações internas, otimizar o uso de ativos e os relacionamentos com clientes e fornecedores.

    - Modelos de negócio: ao usar ferramentas digitais, as empresas devem detectar novos mercados e caminhos para crescer. Segundo o Cesar, modelar novos negócios é essencial para a sobrevivência das organizações na era digital.

    - Dados: a captação e uso inteligente de dados tem extrema relevância para a estratégia e tomada de decisões das empresas. A questão é que poucas organizações sabem extrair valor deles e, ao mesmo tempo, assegurar os direitos intelectuais em ativos digitais, a privacidade e a segurança dos consumidores.

    - Tecnologias: as empresas precisam conhecer e aplicar de forma inteligente as tecnologias digitais, como IoT (Internet das Coisas), big data e inteligência artificial – soluções capazes de garantir vantagem competitiva.