Carlos Zarlenga deixa a GM e a presidência da empresa na América do Sul

Empresa informa que executivo decidiu buscar novas oportunidades

Por REDAÇÃO AB
  • 25/08/2021 - 18:19
  • | Atualizado há 3 semanas
  • um minuto de leitura
    De forma inesperada pelo mercado, Carlos Zarlenga decidiu deixar a General Motors e a presidência da empresa na América do Sul. Segundo comunicado divulgado pela GM no fim da tarde da quarta-feira, 25, o executivo quer “buscar outras oportunidades”.

    O sucessor de Zarlenga não foi anunciado e não há previsão de quando isso será feito. O diretor financeiro da GM América do Sul, Roberto Martin, assume o comando da empresa na região interinamente.

    Economista formado pela Universidade de Belgrano em Buenos Aires, Argentina, Zarlenga atravessou alguns dos momentos mais turbulentos da história da GM no Brasil. Apenas três anos após assumir a presidência da operação brasileira, logo no início de 2019, sob forte pressão da matriz nos Estados Unidos, anunciou que a empresa não poderia mais acumular prejuízos na região e que fábricas, empregos e investimentos estavam sob risco. Conseguiu obter incentivos tributários do governo paulista e converteu a crise em um programa de investimento de R$ 10 bilhões até 2024, e levou adiante a renovação dos principais produtos Chevrolet vendidos na região, incluindo a linha Onix e o primeiro SUV da marca produzido em São Caetano do Sul (SP), o Tracker.

    Com o início da pandemia de coronavírus a partir de março de 2020, o novo plano foi para a gaveta enquanto a GM tentava superar a crise, ainda mantendo a liderança de vendas no mercado brasileiro até o fim do ano passado. Após anunciar a retomada dos investimentos no início de 2021, um novo golpe aconteceu com a falta generalizada de semicondutores, que provocou a paralisação das linhas de produção no Brasil (por cinco meses e meio no caso de Gravataí/RS) e a perda do primeiro lugar. Sob condições tão adversas, será difícil para qualquer executivo recolocar o balanço da companhia no azul como exigia a matriz há dois anos.

    No comunicado que informa a saída de Zarlenga, o presidente da GM Internacional, Steve Kiefer, agradece a contribuição do executivo para a empresa. “Carlos tem sido uma força motriz para mudanças, não apenas em nossos negócios, mas na indústria automotiva na América do Sul. Sob sua liderança, a GM está realizando um investimento histórico para fornecer veículos globais e dar seguimento aos mais de 100 anos de sucesso da Chevrolet na região”, afirmou em nota.

    O argentino Carlos Zarlenga, 47 anos, está na GM desde 2012, quando foi nomeado diretor financeiro da empresa na Coréia do Sul, e no ano seguinte assumiu o posto de chefe financeiro (CFO) na América do Sul. Em 2016 tornou-se presidente da operação no Brasil, posição que a partir de 2017 foi estendida para a presidência Mercosul e desde 2019 para nove países sul-americanos (Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Paraguai e Uruguai). Antes de ingressar na GM, Zarlenga trabalhou por mais de 15 anos na General Electric na Europa, Ásia e Estados Unidos, onde ocupou cargos da área financeira.