E-commerce faz frotista trocar caminhão pelo furgão

Com a mudança de perfil da frota distribuidora de carga, mercado brasileiro deverá crescer até 20% em 2022

Por BRUNO DE OLIVEIRA, AB
  • 30/08/2021 - 13:05
  • | Atualizado há 3 semanas
  • um minuto de leitura
    O aquecimento das demandas do e-commerce está modificando o perfil da frota de transportadores no Brasil, sobretudo daqueles que realizam distribuição urbana. No pátio dos grandes frotistas tem diminuído a predominância de caminhões, que passaram a compartilhar o espaço com furgões de carga. O cenário tem sido importante vetor de negócios para as montadoras.

    "Houve aquecimento das entregas de pedidos online durante a pandemia, e isso gerou mais oportunidades para o segmento de transporte de carga por furgão. Grandes frotistas estão optando mais por este tipo de veículo, em vez do caminhão, porque a operação de entrega urbana tem demandado mais agilidade e frequência", disse Fabio da Silva, gerente de vendas de vans da Mercedes-Benz.

    Segundo estimativas da empresa, o mercado das chamadas large vans, à qual pertencem também os furgões, deverá crescer de 15% a 20% no comparativo 2020-2021 por causa deste novo desenho logístico que passa a ter como protagonista esses veículos de carga mais leves. "Os grandes clientes são os que mais têm optado por este tipo de veículo no lugar de caminhões menores", completou Silva.

    O crescimento envolve também as vendas de veículos do tipo chassi-cabine, que também disputam espaço com os furgões na distribuição de carga urbana. Contudo, disse o gerente da Mercedes, é importante considerar também a alta das vendas de furgões porque eles, em algumas aplicações, constituem um melhor investimento na comparação com os modelos construídos sobre chassi.

    Caso se concretize a projeção da marca, o mercado de large vans deverá reestabelecer o patamar de vendas do período pré-Covid. De acordo com os dados do Renavam divulgados pela Fenabrave, os emplacamentos de furgões em 2019 somaram 34,2 mil unidades, com o modelo Renault Master na liderança do segmento.

    No acumulado do ano até julho, ainda segundo o balanço da federação, foram emplacadas 18,6 mil unidades de furgões, um volume 15,5% superior àquele registrado no janeiro-julho do ano passado.

    LANÇAMENTOS NA EUROPA E EUA



    O aumento da demanda no comércio eletrônico é um fenômeno global e deve impulsionar também as vendas destes veículos comerciais nos mercados desenvolvidos. Tanto que a própria Mercedes-Benz programou para setembro o lançamento da nova Citan, um furgão de pequeno porte que integra a oferta da empresa na Europa. Uma das versões do modelo será elétrica, o eCitan.

    A Ford, por sua vez, testa o furgão elétrico E-Transit na Europa na operação na prefeitura de Colônia, na Alemanha, na DHL e no Norwergian Post, o sistema de correios da Noruega. Dez protótipos já participaram do programa de teste em operações reais, que já está em sua fase final. O lançamento do E-Transit está programado para ocorrer no segundo trimestre de 2022.

    Na terça-feira, 24, a Stellantis anunciou que em 2023 lançará nos Estados Unidos uma versão elétrica do seu furgão, o Ram ProMaster, "em resposta à demanda do cliente". O modelo se somará aos demais elétricos das marcas subsidiárias do grupo, como é o caso do Peugeot e-Boxer, do Fiat e-Ducato e do Citroën e-Jumpy.