Venda de veículos na Argentina cai o triplo do Brasil

Impactado pela crise dos semicondutores na indústria brasileira, o país vizinho registrou queda de 15,4% em julho, somando 32 mil unidades

Por REDAÇÃO AB
  • 02/08/2021 - 19:15
  • | Atualizado há 1 mês, 1 semana
  • 2 minutos de leitura

    As vendas de veículos na Argentina caíram 15,4% em julho, na comparação com o volume vendido em junho no país, somando 32,3 mil unidades, de acordo com o balanço divulgado nesta segunda-feira, 2, pela Acara, a associação que representa os concessionários locais. O porcentual de queda registrado pelo país vizinho foi mais do que o triplo do verificado no Brasil no mesmo período, que foi de 4,2%, impactado pela escassez de veículos no setor de distribuição.

    Problema semelhante vive o mercado argentino, segundo Ricardo Salomé, presidente da Acara: "Os números de julho refletem que o mercado está vivenciando um aumento significativo de demanda que não tem sido totalmente atendida, visto que a oferta está restrita pela escassez de veículos".



    Vale ressaltar que a maior parte dos veículos vendidos na Argentina tem como origem as fábricas instaladas no Brasil, as quais enfrentam grave crise de abastecimento de componentes e, por causa disso, algumas plantas chegaram a interromper a produção por falta de semicondutores.

    Os dados da Acara mostram que em julho o volume de emplacamentos de veículos fabricados no Brasil representou 45% do total licenciado na Argentina até julho, resultado que representa queda de 16 pontos porcentuais na comparação com a fatia observada no janeiro-julho do ano passado.

    MAIS CARROS FABRICADOS NA ARGENTINA



    Os veículos produzidos nas fábricas argentinas, entretanto, aumentaram sua participação no total licenciado no acumulado do ano em 18 pontos porcentuais. A maior participação de veículos produzidos na Argentina já se nota na lista dos mais vendidos no país: dos dez modelos mais vendidos, seis são fabricados naquele país. Antes de crise, eram apenas cinco.

    O mais vendido em julho foi o Fiat Cronos, 3.589 unidades, um resultado que representa leve aumento de 0,5% ante as vendas do modelo registradas em junho. Na comparação com os emplacamentos realizados em julho do ano passado, houve aumento de 195%, devido aos efeitos da fase mais aguda da pandemia em 2020. No acumulado do ano, foram licenciadas 23.608 unidades, volume 343% maior do que aquele vendido em igual período em 2020. Já no Brasil o modelo mais vendido no mês foi outro veículo da Stellantis, o Fiat Argo, com 10,8 mil unidades licenciadas.

    No caso das marcas mais vendidas, a Toyota segue como líder na Argentina, com 45,7 mil unidades licenciadas até julho. Volkswagen, Fiat, Renault e Peugeot fecham a lista das cinco marcas mais vendidas naquele país.

    Os veículos Chevrolet ocupam no Brasil e na Argentina o sétimo posto de marca mais vendida. A marca da General Motors caiu bastante no ranking por causa da suspensão da produção brasileira do seu veículo de maior volume, o Onix, cuja fábrica de Gravataí (RS) está parada desde março.

    Ainda segundo o balanço da Acara, até julho foram emplacados na Argentina 243 mil veículos, considerando automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. O volume representa alta de 32,2% sobre o volume licenciado no janeiro-julho do ano passado.

    OS 10 MODELOS VENDIDOS NA ARGENTINA EM JULHO

    1º Fiat Cronos - 3.589
    2º Toyota Hilux – 2.230
    3º Volkswagen Gol - 1.552
    4º Ford Ranger - 1.379
    5º Peugeot 208 - 1.326
    6º Volkswagen Amarok - 1.289
    7º Toyota Etios - 1.251
    8º Toyota Yaris - 1.028
    9º Renault Kangoo - 808
    10º Nissan Frontier - 693


    AS 10 MARCAS MAIS VENDIDAS NA ARGENTINA EM JULHO

    1º Toyota - 6.118
    2º Fiat - 4.625
    3º Volkswagen - 4.484
    4º Renault - 3.032
    5º Peugeot - 2.368
    6º Ford - 2.076
    7º Chevrolet - 1.864
    8º Nissan - 1.636
    9º Citroën - 1.104
    10º Jeep - 1.082