NOTÍCIAS
13/11/2017 | 19h00

Indústria

Rota 2030 empaca no desprezo da Fazenda

MDIC não consegue aprovar programa, que enfrenta resistência


PEDRO KUTNEY, AB | De Porto Alegre (RS)

Ministro avisa que não há plano B: se a Fazenda não aprovar, indústria não terá Rota 2030
“O que falta é a Fazenda aprovar, só isso, mas está difícil.” Com essa afirmação o ministro Marcos Pereira, titular do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), demonstrou sua insatisfação com a demora na aprovação do Rota 2030, o programa de desenvolvimento do setor automotivo em discussão desde abril, que segundo Pereira reconhece está parado por falta de falta de aprovação do Ministério da Fazenda. “O problema nem é mais discutir incentivos tributários, mas agora estão questionando o mérito do programa inteiro, que na opinião de alguns não é necessário”, afirma.

O ministro participou na segunda-feira, 13, do Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Porto Alegre (RS), e aproveitou para conversar com alguns com alguns representantes da indústria. Pediu a eles para que, em reunião marcada nesta terça-feira, 14, com Michel Temer, digam ao mandatário que o problema está na Fazenda. Pereira afirmou ainda que está em discussões com o outro Ministério, mas que tem dificuldades em convencer sobre a importância do programa. “Precisamos decidir o que queremos, quero resolver isso até o fim do mês para poder apresentar o programa, para valer a partir de janeiro, ou a indústria vai ficar sem nenhum programa”, afirmou.

“Não tem plano B. O plano B é não ter programa em janeiro se a Fazenda não aprovar”, alertou Pereira. Segundo ele, a principal proposta do desenho tributário do Rota 2030 era o fim da cobrança de impostos na cadeia produtiva do setor automotivo. “Fizemos contas, apresentamos ao Ministério e provamos que não há impacto fiscal relevante. Mas está difícil aprovar qualquer medida tributária”, disse.

Segundo integrantes do setor, a Fazenda passou a minar o Rota 2030 com a difusão de informações negativas sobre o programa na imprensa, abrindo conflito entre os ministérios. Para algumas fontes, o Ministério coloca muito foco no empenho fiscal que o programa pode criar, mas esquece dos benefícios, como o aumento da eficiência energética e segurança dos veículos feitos no País.

Comentários: 1
 

marcio
14/11/2017 | 12h06
Lamentavel como as coisas aqui no Brasil sao demoradas para acontecer!!!!

Comente essa notícia

Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de questões técnicas ou comerciais. Os comentários serão publicados após análise. É obrigatório informar nome e e-mail (que não será divulgado ao público leitor). Não são aceitos textos que contenham ofensas, palavras chulas ou digitados inteiramente em letras maiúsculas. Também serão bloqueados currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.
Seu nome*: Seu e-mail*:

QUEM É QUEM NO SETOR AUTOMOTIVO

Encontre empresas e profissionais do setor.
Confira seus perfis e biografias.

Encontre empresas e profissionais do setor.

Encontre empresas e profissionais de comunicação.

Confira seus perfis e biografias.