Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Hyundai investe US$ 200 milhões no novo HB20, amplia produção e quer exportar

Indústria | 17/09/2019 | 10h50

Hyundai investe US$ 200 milhões no novo HB20, amplia produção e quer exportar

Modelo agora conta com maior capacidade da fábrica de Piracicaba para atender demanda no Brasil e América do Sul

PEDRO KUTNEY, AB | De Comandatuba (BA)

A Hyundai investiu US$ 200 milhões no desenvolvimento da nova geração da família HB20, que chega este mês às concessionárias brasileiras com faixa ampliada de versões e preços para brigar em todas as segmentações do mercado de hatches e sedãs compactos. Ao mesmo tempo, com outro aporte de R$ 125 milhões anunciado em março deste ano aumentou a capacidade de produção da fábrica de Piracicaba (SP) de 180 mil para 210 mil unidades/ano, sendo cerca de 150 mil para o HB20 e o restante para o SUV Creta.

Com isso, melhorou seu poder de fogo para a atender a demanda – por falta de mais veículos para entregar, há três anos as vendas do hatch estão estabilizadas em torno de 105 mil/ano, pois a planta brasileira vem trabalhando no topo desde o início das operações em 2012, adotando três turnos de segunda a sexta-feira já em 2013.

“Ampliamos a produtividade com mais robôs e treinamento para aumentar a eficiência dos processos. Agora temos mais capacidade de produção e as vendas da nova geração do HB20 devem crescer”, avalia Eduardo Jin, presidente da Hyundai Motor Brasil.



Desde o início deste ano, Jin também acumula a direção da Hyundai para 42 mercados da América do Sul e Central, que passaram a ser administrados a partir da sede no Brasil. Segundo ele, a intenção assessória à ampliação de Piracicaba é aumentar as exportações para os países da região. Hoje só Uruguai, Paraguai e Colômbia recebem os Hyundai produzidos na fábrica brasileira e há negociações em curso para ampliar esse leque – inclusive muitos potenciais importadores foram convidados para o lançamento do novo HB20 esta semana em um resort na Ilha de Comandatuba (BA).

Mas a Argentina deve continuar de fora, pois a Hyundai não tem operação industrial lá e portanto não consegue participar do regime flex, que estabelece uma cota de exportação livre de imposto equivalente a 1,5 vez o valor das importações do outro lado. “Vamos esperar melhorar as condições econômicas na Argentina antes de decidir se vamos fazer algo lá”, afirma Jin.



Tags: Hyundai HB20, HB20S, HB20X, lançamento, fábrica de Piracicaba, investimento.

Comentários

  • EduardoTeixeira Küll

    Eé com declarações como esta que a mera existência do Mercosul não faz o menor sentido. Qual a razão do bloco? Entre outras, é dinamizar as empresas, dar-lhes escala de produção ao integrar mais mercados, para fazê-las mais competitivas com as de fora do bloco, inclusive para ajudar a trazer mais investimentos. Esta trava canalha, com a qual o Brasil concordou, foi (mais) uma tentativa fracassada de fazer algum investimento ir para a Argentina, mas o fato é que não funcionou, como se esperava que não funcionasse. A Hyundai daqui não pode exportar para a Argentina por conta da falta da tal "reciprocidade", MAS IMPORTA O CRETA DA ÍNDIA. Exige a tal reciprocidade deles? Não. Quem perde? O Brasil, que poderia agregar mais mercado, conseguir mais escala e assim, inicialmente atrair mais investimento para aqui e talvez em algum momento, a Hyundai se interessasse em fazer algo por lá. Com esta trava, a Argentina quer é lucrar antes de investir. Exigem "reciprocidade" do que importam de montadoras européias, americanas, chinesas, etc.? Mas do Brasil, "sócio preferencial" por conta do Mercosul, EXIGEM. E assim, o bloco não tem mesmo a menor possibilidade de funcionar mesmo.

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência