Automotive Business
Siga-nos em:
AB Inteligência

Notícias

Ver todas as notícias
Disparidade salarial expõe desigualdade de gênero nas empresas automotivas

Carreira | 02/12/2019 | 18h37

Disparidade salarial expõe desigualdade de gênero nas empresas automotivas

Mulheres enfrentam barreiras para ascender profissionalmente, mostra estudo Diversidade no Setor Automotivo

NATÁLIA SCARABOTTO, PARA AB

O retrato da desigualdade entre os gêneros no setor automotivo é facilmente notado pela baixa representatividade de mulheres no quadro funcional e na liderança das empresas do setor. O problema, no entanto, se estende também a outros aspectos, como o tempo de carreira, a remuneração salarial e a retenção pós-maternidade, de acordo com o estudo inédito Diversidade no Setor Automotivo, feito com 89 empresas do segmento entre agosto e setembro de 2019.



- Faça aqui o download do estudo Diversidade no Setor Automotivo
- Baixe aqui a cartilha Boas Práticas em Diversidade e Inclusão no Setor Automotivo





Realizado por Automotive Business, em parceria com MHD Consultoria, a pesquisa aponta que atualmente as mulheres representam 19,7% da força de trabalho do setor – porcentual bastante inferior ao da participação feminina na população brasileira, que é de 51%, segundo o IBGE. O número mostra retração em relação a 2017, quando elas representavam 21% do quadro de colaboradores.

A queda no percentual pode ter sido impulsionada pela retomada do setor automotivo que, depois de redução do quadro de colaboradores, voltou a contratar – provavelmente admitindo um volume maior de homens.



MULHERES ESTÃO FORA DOS CARGOS DE DECISÃO DE EMPRESAS AUTOMOTIVAS


A participação de homens e mulheres nas empresas automotivas desenha um funil hierárquico: começa equilibrada nos cargos de entrada, com participação feminina e masculina em cargos de entrada, mas apresenta grandes desigualdades nas posições mais elevadas. A participação feminina em nível de estagiário ou trainee é de 45%, ante a 55% de homens. No quadro funcional, a presença delas cai para 18%.

Nas lideranças, elas representam 21% em cargos que equivalem a gerência, diretoria, vice-presidência e presidência. Entre 2017 e 2019 houve evolução discreta nessa participação, de três pontos percentuais, apesar do número total de mulheres contratadas no setor ter diminuído no período.

BR>
A maior parte da força de trabalho feminina está concentrada nas áreas de produção e manufatura (47%), marketing e vendas (11%) e compras, supply chain e logística (7%). Com isso, apesar do discreto avanço, fica claro que a mulher estar longe de ter participação relevante nas posições mais estratégicas, responsáveis por, de fato, desenhar o setor automotivo.

O funil hierárquico indica que, a partir das posições de gerência, há uma quebra na participação feminina, provavelmente pela dificuldade de ascender profissionalmente. A dificuldade para ascender profissionalmente passa longe de ser falta de competência ou preparo das mulheres: elas são bem mais escolarizadas do que os homens do setor.

Enquanto só 27% dos talentos masculinos empregados no setor têm nível superior e/ou pós-graduação completos, 41% das mulheres têm formação equivalente.



DESIGUALDADE SALARIAL PERSISTE


A desigualdade entre os gêneros também se estende a outro aspecto de alta relevância: a remuneração. De acordo com o estudo, ainda que as mulheres sejam mais escolarizadas que os homens, o salário médio delas é 23% inferior nas empresas automotivas.

Este desequilíbrio se aprofunda em cargos de liderança, onde elas chegam a ganhar 34% a menos do que eles. Outro dado significativo é que apenas 38% das empresas têm ações para reduzir desigualdades salariais entre homens e mulheres.



ELAS SAEM MAIS CEDO DO SETOR


Pela análise etária dos homens e mulheres empregados no setor automotivo, o estudo indica que pode haver um movimento de desistência feminina das empresas do segmento conforme a idade delas avança ou, ainda, um avanço das demissões. Entre os profissionais de 31 a 50 anos, mulheres representam uma parcela menor: são 54% ante aos 64% de homens, indício de que elas saem mais cedo do meio automotivo.

Os homens com filhos também são a maioria: 46% são pais, enquanto apenas 36% das mulheres são mães. De acordo com o estudo, metade das empresas participantes afirma que conseguem manter mais de 75% das colaboradoras após a licença maternidade, embora apenas 22% das empresas afirmem adotar medidas concretas para a retenção das colaboradoras.



Tags: diversidade, setor automotivo, gênero, equidade, Rede AB Diversidade.

Comentários

Conte-nos o que pensa e deixe seu comentário abaixo Os comentários serão publicados após análise. Este espaço é destinado aos comentários de leitores sobre reportagens e artigos publicados no Portal Automotive Business. Não é o fórum adequado para o esclarecimento de dúvidas técnicas ou comerciais. Não são aceitos textos que contenham ofensas ou palavras chulas. Também serão excluídos currículos, pedidos de emprego ou comentários que configurem ações comerciais ou publicitárias, incluindo números de telefone ou outras formas de contato.

Veja também

ABTV

AB Inteligência